quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Você acredita em Deus?

Você acredita em Deus? Em qual Deus? Em um país monoteísta, a maioria argumentaria “Sim, acredito no único Deus”. Mas qual?
Há muitos. Em cada paróquia, em cada igreja, em cada leitura da bíblia, em cada grupo, em cada humano, em cada interpretação que constrói um Deus conforme a própria imagem e semelhança, moralista, fixado em padrões culturais.
Entre os politeístas não será diferente a não ser pelos muitos nomes, cada Deus refletindo um olhar, um tempo, uma expectativa, vários deuses exatamente como no monoteísmo, sendo que no segundo caso os vários são chamados por um nome só.
Talvez você creia em um Deus conceitual. Uma energia abstrata, algo que não temos acesso e por isso mesmo prefere não perder muito tempo pensando nisso, afinal, já há muita gente discutindo sobre o assunto.
Tem quem acredite em Deus pessoal, Deus impessoal, Deus justiceiro, Deus amor, Deus castigo, Deus benevolente, que gosta de elogios, que se zanga com gente que erra, que pune, que recompensa, que castiga, que salva… Perdidos em nossos devaneios nem percebemos que Deus se projeta na vida.
O fato é que não faz a menor diferença se você se considera teísta (que crê em Deus) ou ateu (que não crê). Não muda nada o nome pelo qual você o chama, seus conhecimentos teológicos, se é criacionista ou evolucionista, se é religioso ou não é. O que é “ter Deus no coração” se não tiver no coração o outro, quem precisa, quem você pode ver, tocar, ajudar em amor?
Perdemos muito tempo com nossas tolas e ingenuas discussões, erguemos templos, formamos grupos, elegemos mestres, sacerdotes, hierarquias de poder, representantes do que se faz representar em cada movimento de vida, em cada humano, cada animal, cada elemento da natureza.
Então você é panteísta ! – diriam. Tolos que precisam de rótulos! O que eu quero dizer é que, enquanto brigamos por nada, perdemos a maravilhosa oportunidade de entendermos que, ainda que todos estejam certos, ou errados, ou parcialmente corretos, não importa, Deus se faz presente sempre que há um encontro, sempre que há um movimento de consciência, sempre que alguém se enxerga e vê o próximo.
“D-E-U-S” são apenas quatro letrinhas, um nome que a gente dá. O inexplicável, o mistério, o incognoscível, se dá no milagre dos encontros, na percepção da vida, na disponibilidade em ser amor e responder as demandas da vida, cada uma delas, em simplicidade e verdade. Quem viu que é assim não precisa mais de argumentos religiosos, desistiu da necessidade de provar, sistematizar o que não cabe em nossas caixinhas com cruzes na porta.
Esse viu e se pacificou. Vê Deus sempre que olha dentro, sempre que vê vida, sempre que se aquieta. Não precisa de nomes, nem de debates, nem de religiões.
Entendeu que, se não vejo Deus no cotidiano, em cada expressão de vida, todo o resto será apenas arquitetura oca, causas para discussões, expressão da arrogância humana que parece não ter fim.





terça-feira, 29 de setembro de 2015

Onde não existe a consciência não existe o poder de escolha!

O negativo em sua vida é apenas uma referência para o positivo e vice versa! A vida se desenvolve, cresce, aprende e evolui mediante o negativo, mas só flui e prospera realmente mediante o positivo. É necessário reconhecer e adquirir a consciência do negativo, pois ele se torna a referência e a ferramenta que o empurrará à prática e à escolha do positivo. Após a formação desta consciência o negativo torna-se uma ESCOLHA e não uma NECESSIDADE para sua evolução e seu crescimento.
As pessoas más e ruins só existem por dois motivos: por não terem ainda adquirido a consciência de sua negatividade ou porque escolheram permanecer nela. Da mesma forma funciona com o que é ruim em sua vida. Ou você ainda não entendeu e não adquiriu consciência sobre o motivo do negativo estar presente ou você entendeu, mas escolheu continuar convivendo com ele. Onde não existe a consciência não existe o poder de escolha! A partir da consciência adquirida tudo em sua vida torna-se, invariavelmente e exclusivamente...SUA responsabilidade e SUA escolha!

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

O despertar e a consciência



O que significa estar desperto?
É simplesmente estar desperto para a nossa natureza eterna
A nosso ser eterno
Compreender que não somos nossos condicionamentos
Não unicamente compreender isto intelectualmente ou mentalmente
Mas ser um com esta compreensão
Dentro de nosso coração
O que se pode dizer sobre despertar
É que tu não és quem acredita ser
Ou o que foi condicionado a acreditar ser
Que é: uma determinada pessoa, homem ou mulher
Que tem certa educação, certos pais,
Que crê em certas coisas
Ou tem uma determinada religião
Que tem sonhos
Que tem memórias
Que tem um forte sentido de sua identidade baseada na memória
Todas essas coisas nos dão um certo sentido de quem somos
Um lugar particular no mundo.
Há algo mais profundo que a personalidade
Por trás do ‘eu mental’
Que não é nosso ser pensante
A mente é como nosso aspecto pensante
Ou ser pensante
Mas devido a que somos conscientes de nossos pensamentos
Deve haver algo mais profundo que a mente pensante
Alguém que está desperto
é totalmente Um com esta Consciência
que é independente da mente pensante
é um estado puro de ‘Ser’
não é um estado de ‘fazer’
mas um estado de completa consciência
A Consciência não pode realmente ser descrita
Porque todas as descrições, as diferenças e a percepção
Tem lugar na Consciência
Então a Consciência não é um objeto,
Não é uma coisa
Não pode ser estudada
Porque todo o resto ocorre na Consciência
E passa através da Consciência
De fato, seria como pedir a uma nuvem
Que interprete o céu
Ou mesmo que muitas nuvens se reúnam
Para transmitir uma compreensão
Ou expressar a realidade do céu infinito
Não é possível, porque o céu é permanente
E as nuvens não são, vem e vão.
Então, se temos um pensamento ou ideias
Sobre quem somos
São como nuvens
Não são permanentes
Estão mudando constantemente
E há uma verdade dentro de nós que não muda
Que não precisa mudar
Que está além do que muda ou não muda
É um espaço perfeito de equilíbrio
E não quero usar palavras para nomeá-lo
Pois ali não há palavras
É o Ser Perfeito
E todos os seres humanos
Todos os seres vivos
Provém deste lugar – da Fonte.
Então despertar significa estar
Completamente consciente e desperto a essa Verdade
Não como um pensamento,
Não como uma filosofia
Não como uma crença
Mas como uma experiência direta
É isso o que se chama Despertar
A oportunidade e o desafio para os seres humanos
É ir além da identidade condicionada: ‘eu sou o corpo’
E dar-se conta de: ‘Eu Sou o Ser’
Quando damos este passo
E nos damos conta de que:
‘Eu Sou o Ser, Eu Sou o Espírito, eu não sou a forma’
Então uma imensa Alegria e Paz voltam para nós.
E há uma Alegria natural interior
E abertura para compartilhar esta compreensão com outros seres.




quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Feliz Equinócio da Primavera!


Chegamos a um dos quatro momentos/dias sagrados e assim considerados pelos povos antigos em seus calendários (Solstícios e Equinócios). O equilíbrio perfeito entre o dia e a noite fornecem o balanço entre a dualidade da luz e sombras, bem e mal, feminino e masculino.
Estes pares opostos são estados naturais para a continuidade da vida. Poderes inimagináveis se tornam disponíveis para nós nestes dias. Estamos no centro do tríptico portal.

No hemisfério Norte, como os dias ficam mais curtos e mais frios, a luz do sol recua, nós nos movemos para dentro, para acender nossa própria luz interior.
No Hemisfério Sul, como os dias ficam mais longos e mais quentes, passamos o nosso caminho para o mundo e brilhamos nossa luz interior para fora, para compartilhar com todos.
Tudo na natureza está constantemente a dar e receber, e esse equilíbrio é o que torna a vida possível.
Então, neste dia de Equinócio de setembro, vamos celebrar este grande equilíbrio cósmico, e vamos fazer o nosso melhor para ativá-lo dentro de nós mesmos e ao nosso mundo.
Um FELIZ EQUILÍBRIO/EQUINÓCIO para todos nós!


segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Quem domina a si mesmo, domina o mundo.


Observe a si mesmo e os outros em momentos de estresse durante conflitos.....você perceberá a facilidade com que as pessoas são atiçadas pelas palavras, pelo tom e pelas atitudes... Depois que a reação luta ou fuga é disparada, o sangue flui do cérebro para os membros e nossa capacidade de pensar com clareza desaparece. Esquecemos nossos propósitos e agimos de maneira contrária a nossos interesses. Ao reagirmos, renunciamos ao nosso poder de influenciar a outra pessoa de maneira construtiva e de mudar a situação para melhor.

Dizemos não ao que poderia nos beneficiar.
Criamos disputas ao invés de cooperação. Perdemos o espaço de soluções. 
A mais eficiente ferramenta é aprender a nos observar numa terceira posição, aprender a criar um ESPAÇO RACIONAL , como se pudéssemos ser como um diretor que observa a cena da platéia. Um posto de observação privilegiada, de onde você assiste o espetáculo e a sua atuação, se corrigindo com uma perspectiva calma e com autocontrole.
Aprender a se VER a distância permite reconhecer sentimentos e nomeá-los, facilitando a conscientização. Quando você identifica seus pensamentos, emoções ou sensações - Ah, esse é meu medo e ele aparece no meu corpo agitado- você reduz o impacto dele em você e tem mais facilidade para manter o estado de equilibrio.
Quem domina a si mesmo, domina o mundo. Crie mais espaço na sua vida para a sua auto-observação.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Aprenda a maneira certa de fazer pedido a lei da atração.


Na infinidade da vida onde estou, tudo é perfeito, pleno e completo.
Acredito num poder muito maior do que eu que flui através
 de mim cada momento de cada dia.
Abro-me à sabedoria interior, sabendo que existe apenas 
Uma Inteligência neste Universo.
Desta Inteligência vêm todas as respostas, todas as soluções,
 todas as curas, todas as novas criações.
Confio nesse Poder e Inteligência, sabendo que seja o que 
for que eu precise saber é revelado a mim e que seja o que 
for que eu precise vem a mim na hora, no espaço e na sequência certos.
E tudo está bem no meu mundo....
Louise Hay


quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Para Descansar a Alma

Por: Monja Coen 

"Arranje um cantinho sossegado e uma almofada gostosa. Acenda um incenso de sândalo. Sente-se com as costas bem retas. Coloque as mãos sobre os joelhos, com as palmas para cima e balance o corpo lentamente da esquerda para a direita, de movimentos maiores a movimentos menores, como um pêndulo, até encontrar o centro de equilíbrio do corpo.
Pare aí. Inspire profundamente e solte o ar lenta e completamente pela boca. Relaxe os ombros. Inspire novamente e solte o ar pela boca. Então cerre os lábios, coloque a ponta da língua no céu da boca e respire pelas narinas. Mantenha os olhos entreabertos, apenas pousados a sua frente.
Ouça todos os sons. Sinta todas as fragrâncias. Perceba o ar, a temperatura em sua pele. Você está pensando? Ou não está pensando? Verifique sua postura. Costas eretas. Cabeça como se um fio puxasse para o céu. Pernas firmes pela força da gravidade. Não julgue. Nem certo nem errado, nem bonito nem feio. Seja. Apenas sentar. Intersendo com tudo que existe. Que bom estar viva. Este instante aqui e agora é o céu e a terra. Isso é tudo. Tudo é nada.


sábado, 12 de setembro de 2015

Focando no que é positivo....

Por: Ricardo Prado
Você adquire um estado de prosperidade e bem estar na tua vida, no momento em que aprende a falar mais de suas coisas boas ao invés dos seus problemas. Problemas vem e vão, e são nossas próprias criações baseadas no processo de causa e efeito. 

O lance ruim é que a maioria costuma esquecer que todos nós já nascemos cheios de coisas boas, inclusive em sermos dotados de uma consciência autônoma, capaz de resolver todos os problemas que podem ser criados por nós mesmos no decorrer da vida.

 Comece a focar no que é bom e positivo em tua vida e metade dos teus problemas sumirão. Não porque as coisas boas os substituíram, mas talvez porque eles nunca existiram de verdade.

 Eram só mais uma mania da sua cabeça em querer enxergar ou criar problema onde não tem problema, só pra se fazer de vítima, coitadinho e mostrar sua insatisfação pela vida, pelo mundo e pelas pessoas, que na verdade nada mais é do que uma insatisfação sobre você mesmo.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Seu tamanho é o tamanho de suas verdades...

Você que pensa que é gordo. Que se gaba pelo corpo bem trabalhado ou se inquieta por achar que é baixinho. Você que acredita na imagem do espelho e pensa que é o que os olhos captam e a mente projeta. Que vê os corpos nas ruas, os passos apressados, desatentos, desconexos e acha que viu tudo.
Você não é o que vê. Seu tamanho é o tamanho de suas verdades, de seus olhares, do mundo que lhe habita.
Diminuímos em nossos preconceitos. Ficamos feios sempre que nos desconectamos do próximo, sempre que tentamos arrancar o outro de nós, como se houvesse outro, como se houvesse nós.

Não há cor de olhos que mascare a avareza de um olhar. Não há tom de pele que confunda a aspereza de uma alma amargurada. Músculos bem trabalhados não compensam a fraqueza de quem jamais se perdoou.
Você não é o que vê.
A imagem não se encerra nos contornos e detalhes, não se limita ao peso ou as rugas, aos passos e as peles, mas expressa um mundo inteiro, o mundo que é você.
Seu tamanho corresponde à abertura de mente, à todos que enxerga, à tudo o que aprende, à consciência que se expande e abraça os seres vivos, à vontade de ser, de viver, de crescer.
Que os oceanos habitem sua alma, seus pensamentos se conectem com o movimento das brisas, que o sol, antes de aquecer a terra, encontre espaço em algum lugar dentro de você; que seu rosto, seu sorriso, seu olhar correspondam a sua abrangência de ser, sua disponibilidade para com quem de fato precisa.
Que finalmente você se enxergue e, surpreso, entenda que não é gordo, nem baixo, nem negro, nem branco, nem velho, nem jovem: você é o mundo que lhe habita; é a vida que move esse corpo 

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Não é da sua conta o que o outro pensa de mim.....

Houve um tempo, há não muito tempo atrás, em que eu permitia que o outro estabelecesse o meu valor. Tinha extrema dificuldade em me colocar do modo que sentia ser o correto e jamais - JAMAIS MESMO - conseguia me sentir ok caso alguém estivesse chateado/decepcionado/bravo comigo.
Foram tempos difíceis, assim como sempre o são quando o leme de nossas vidas não está em nossas mãos. Sim, porque sempre que deixamos que o olhar do outro nos defina nos perdemos de nós mesmos e quase deixamos de existir. É como se uma parte nossa efetivamente morresse, e tudo o que sobra é uma carcaça tosca e sem vida implorando para ser amada e aceita por algo que, no fundo no fundo, não é.
Entender que o que o outro pensa de mim não é da minha conta e que não vemos as coisas e pessoas como elas são, e sim como nós somos, foi algo absolutamente primordial em minha vida. E o mais louco é que assim que aprendi suportar e tolerar que a despeito do que eu faça e diga SEMPRE haverá quem me critique e simplesmente não goste de mim, ao invés de me suprimir e de alguma forma me castrar apenas me LIBERTOU. Porque nada é melhor do que poder ser quem se é sem tentar se moldar ao que presume-se que o outro queira. E, pasmem, desde que libertei a mim mesma ser quem sou libertei também ao outro ser quem ele é e crio muito menos expectativa com relação às pessoas que fazem parte de minha vida. Consequentemente, me frustro menos.
Gratidão de hoje por, mais uma vez, ter conseguido me colocar, dizer não quando precisei dizer e, ainda assim, deitar para dormir com a consciência tranquila e a alma leve. Um dia a gente aprende

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Sua "eterna morada"....

Você não vai para o céu. Desculpe dizer assim tão sem rodeios, mas é bom que saiba logo. Não espere o paraíso com anjinhos, ou virgens, ou casas de ouro, não é para lá que você vai.

A boa notícia é que você também não vai para o inferno. Para quem temia a possibilidade de arder eternamente no caldeirão de fogo, o cheiro de enxofre, as doloridas cutucadas de tridente, relaxe, não é para lá que você vai.

De tempos em tempos, dependendo da cultura, da época, das referências daquele povo, a expectativa do que acontecerá depois da morte tende a se projetar conforme os valores vigentes.

Talvez seja por isso que atualmente tanta gente projeta no "além" uma vida cheia de tecnologias, computadores, trens modernos, como por exemplo no filme "nosso lar". É diferente do "céu" dos muçulmanos onde as virgens, várias para cada guerreiro (é um céu para homens), serão recebidos com ardor e alegria.

Nosso pensamento é condicionado ao tempo e espaço. Precisamos do tempo, da linearidade das percepções, do hoje e do amanhã, do hoje estou, amanhã irei. Assim como precisamos do espaço: para onde vamos, lugar de amor, sair daqui, ir para lá, mas, e se essas referências não valerem para a consciência? A "coisa" que somos e anima esse corpo que morre um pouco todos os dias.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Hoje pratique o não-julgamento.

Existem duas forças dentro de você que precisam estar em equilíbrio para que sua vida seja harmônica - mas que quase nunca estão. Quietude e atividade. Paz e agitação. Força e fragilidade. Quem aí experimenta harmonia?
Uma boa forma de começar a trabalhar o equilíbrio entre estas duas forças é através do não-julgamento. Sempre que exercemos um julgamento sobre outra pessoa estamos olhando para algo externo que representa algo interno para o qual não estamos olhando. Não-julgamento, ação pela não-ação, Wu Wei.
Ao não julgarmos o próximo e olharmos para dentro estamos aquietando algo voltado para o externo e agotando algo voltado para o interno. A pacificação para fora, a atividade para dentro. Yin dentro do Yang, Yang dentro do Yin.
Durante todo o dia de hoje pratique o não-julgamento. A ação pela não-ação. Experimente como você se sente a cada julgamento não proferido. E depois volte aqui para compartilhar suas impressões.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...