quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

O Deus de fora e o Deus de dentro

Querido Osho,
O que é iluminação? É uma revelação divina?

    "Ela não é uma revelação divina, ela é uma realização divina. E a diferença é grande. Revelação divina significa que alguma coisa objetiva, como Deus, lhe é revelada. Você vê algum Deus; mas você está separado dele e ele está separado de você.
    Eu não acredito num Deus que esteja separado de nós, que esteja separado da existência. Eu não acredito em um Deus que seja um criador; eu acredito num Deus que é criatividade.Dizendo isso em outras palavras, eu não acredito num Deus como uma pessoa, eu acredito em divindade como uma qualidade. 
    Assim, eu digo que ela não é uma revelação divina, mas uma realização divina. Você percebe que você é Deus, e ao perceber que é Deus, você percebe que tudo é Deus – que somente Deus existe e nada mais existe. Nas pedras, nas árvores, nos pássaros, nas pessoas – quer eu as conheça ou não – o mesmo princípio, a mesma qualidade está escondida no verdadeiro centro de todo ser.
    Iluminação é tornar-se tão cheio de luz que você consegue ver o seu próprio centro e perceber a sua divindade.
    Isso faz uma grande diferença – com Deus sendo separado, o homem é apenas um fantoche. Ele nunca pode ser livre, ele irá permanecer sempre um escravo. Como você pode se livrar do criador? Ele o criou. E por que ele o criou num determinado momento? Por que não antes?
    Existe eternidade no passado – e o cristianismo diz que Deus criou o mundo há quatro mil e quatro anos antes de Jesus Cristo. Deve ter sido no dia primeiro de janeiro – obviamente. Mas, então, o que ele estava fazendo antes? Estava apenas sentado e nada fazendo por toda a eternidade? E então, de repente, ele criou este mundo. Um caos - não uma grande idéia.

    Eu ia viajar e fui ao meu alfaiate. Disse-lhe, ‘Você tem que fazer o meu robe em sete dias. Nesse prazo, sem truque: sete dias significa sete dias.’
    Ele disse, ‘Como você quiser. Mas lembre-se de uma coisa, Deus criou o mundo em seis dias e dê uma olhada no mundo. Eu posso criar o seu robe em sete dias, mas depois não me pergunte, ‘o que você fez?’ Vai ser um caos!’ Ele estava certo.
    Em seis dias... E após os seis dias Deus estava cansado e descansou. E tem estado descansando desde então. Estranho cansaço! E parece ter sido um capricho, de repente, decidir criar o mundo. Mas você não pode depender de tal capricho de Deus. Amanhã ele pode decidir que já é o bastante e resolver destruí-lo. O que você pode fazer? Com um Deus que é um criador você está justo nas mãos de uma outra pessoa que pode fazer ou desfazer você. Então a sua liberdade e a sua individualidade não têm significado.


    Nietzsche está certo quando diz, ‘Deus está morto, e agora o homem está livre.’ Ele está colocando duas coisas juntas; este foi o insight dele: Deus está morto e agora o homem está livre. Com Deus vivo, o homem não pode ser livre.
    Eu não digo que Deus esteja morto – porque ele nunca viveu! Deus não é um objeto fora da existência. Ele não é um criador, ele é a realidade mais interna da existência. Ele é eterno; ele tem estado sempre aqui e agora; e ele sempre estará aqui e agora. A criação não terminou em seis dias, ela ainda está acontecendo. Ela é um processo que continua. Ela é uma evolução. 
    Mas Deus tem que ser colocado dentro dela, não do lado de fora. Com Deus do lado de fora, o mundo se torna morto e Deus se torna um ditador. Com Deus do lado de dentro, na existência, toda vida se torna mais viva e tudo vibra – e Deus não é mais um perigo.
    Assim, eu não direi que a iluminação é uma revelação divina, não. Todos aqueles que disseram ter tido uma revelação divina, simplesmente sonharam com isso, estiveram alucinando. Foi uma ilusão e nada mais.
    Iluminação é perceber como realidade que ‘eu não sou apenas um mortal. Eu não sou apenas material. Eu sou divino. No meu coração dos corações Deus está vivo, e o que está acontecendo em mim está acontecendo em todo mundo.’ A única diferença entre aquele que nós chamamos iluminado e os outros é que ele conhece; ele reconheceu o seu ser interior, e os outros estão dormindo profundamente. Mas não existe diferença qualitativa. Aqueles que estão dormindo, podem ser despertados amanhã.
    E nesta eternidade, o que importa se você despertar hoje ou amanhã? Não importa. Você pode despertar de manhã cedinho ou pode se despertar mais tarde – a eternidade está disponível. Você é livre para escolher quando despertar. Você é livre para escolher se quiser dormir um pouco mais. Então vire para o lado, puxe o cobertor e desfrute o sono um pouco mais... Porque é Deus que está desfrutando isso. Não se preocupe. Por que perturbar Deus se ele quer dormir um pouco mais? Mais cedo ou mais tarde você vai despertar. Por quanto tempo você consegue ficar dormindo?
    A iluminação é um despertar de um sono profundo, vindo do estado de inconsciência para a consciência. Isso não precisa de nenhum Deus de fora.
    O Deus de fora é muito perigoso. Suas implicações são feias, porque o Deus de fora significa adoração, exaltação dele, rezar e pedir a ele, ir ao mosteiro, ir à igreja, ir à sinagoga. O Deus de fora nunca permite que você entre dentro de si mesmo: os seus olhos estão focados do lado de fora – e não existe nenhum Deus de fora. Você está olhando para um céu vazio. 
    A verdadeira essência da vida está dentro de você. 
    Neste exato momento você pode se voltar para dentro de si mesmo, olhar para dentro de si. Nenhuma adoração é necessária, nenhuma reza é necessária. Tudo o que se precisa é uma jornada silenciosa em direção ao seu próprio ser. Eu chamo isso meditação – uma peregrinação silenciosa ao seu próprio seu. E no momento em que você encontrar o seu centro, você terá encontrado o centro de toda a existência. 
    Arquimedes, um dos grandes cientistas, costumava dizer, “Se eu conseguir encontrar o centro do mundo, eu poderei revolucionar tudo.’ Mas o pobre homem nunca encontrou; ele procurava na direção errada. Se por acaso em alguma vida eu encontrá-lo, eu lhe direi, ‘Arquimedes, você ainda está procurando o centro do lado de fora? O centro está dentro de você. E isso é verdadeiro: se você conseguir encontrar o centro dentro de si, você terá encontrado o centro de todo o mundo, e conseguirá revolucioná-lo.’”

Osho


quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Acordei !!!


Quando eu me cobrei demais, não resisti.
Cai diante de tantas exigências e me perdi.
E diante do fracasso dos sonhos malucos que criei,
me vi sentado no desespero e não me achei.

Somos nossos maiores inimigos quando sonhamos.
Quando não colocamos freios na nossa imaginação.
Quando mentimos tanto para nós mesmos, que acreditamos na mentira e nos frustramos.

Nos deixamos levar pela ilusão que cega,
e nos ferimos além do corpo,
bem no fundo da alma, que se entrega.

Eis o fundo do poço:
alguém que já não acredita em si mesmo.
Alguém que se machucou tanto que tem medo do amor.
Alguém que não consegue ver nada além da dor.
Alguém que até mesmo a fé debandou,
e do pouco que restou, ficou o ar que insiste em utilizar,
é viver por viver, caminhar por caminhar.

Alma querida, corte agora os laços com a ilusão.
Acorde para a Vida que é tão bonita e te espera.
Não para viver o sonho da Cinderela
ou do "príncipe adormecido".
Mas o da realidade que pede paciência, trabalho, resignação, e aquela mistura dosada de medo, incerteza e desejo de acertar.

Descobrir que somos falíveis, que erramos, acertamos e temos que seguir adiante.
Não se cobre além dos erros de hoje para procurar acertar amanhã.
E se não der, se errar de novo, sorria, a vida é aprendizado.
E se repetirmos o ano, resta a certeza de que no ano que vem,
já começaremos sabendo mais que os outros.

Sorria e seja feliz! 

Paulo Roberto Gaefke

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Ciúmes é amor?

Ciúmes é posse, projeção e insegurança. Nunca é amor.

Quando o ciúmes entra , o relacionamento começa a perder sua essência , que é a aceitação e aprovação de quem sou , por um outro que me ama e quer dividir seu tempo e espaço comigo.
Quando o controle começa a mostrar suas " garras" é sinal que não existe confiança, respeito por nossa individualidade, respeito pelas nossas interações com o restante do mundo.

O ciumento quer que sua vida se resuma nele e não se expanda com ele. A posse é a forma de tratar o outro como um objeto sem vida própria. Ela é " minha" .....transforma o outro em inanimado, um ser sem vontades próprias. Você pode acreditar que alguém com ciúmes está amando???????

O ciumento projeta o seu mundo no outro. Aquilo que ele seria ou é capaz de fazer, ele acredita que você também pode. Ele não está falando de realidade, ele está falando da sua própria realidade, cheia de possibilidades que ele é capaz de vivenciar. Não confunda ,cuidado, dedicação , carinho , alguns ingredientes do amor, com as projeções distorcidas do ciúmes.

A pessoa ciumenta não é excesso de amor por uma pessoa, e sim, falta de amor por si mesma. O ciumento é uma pessoa insegura se expressando e não uma pessoa amorosa se expressando. Os filmes de terror que passam na sua mente e que infernizam a sua vida e a vida dos outros é a maior demonstração de sua baixa autoestima e do pouco valor que acredita ter.

O ciúmes nunca deve ser entendido com compreensão, porque ele deve ser barrado e não estimulado.
Você é ou vive em uma relação com o ingrediente do ciúmes? Você precisa ser curado com uma forte dose de AMOR PRÓPRIO!!!!!!

Rosalia Schwark




sábado, 15 de fevereiro de 2014

Eleve sua vibração para atrair felicidade no relacionamento


Amor do conto de fadas pode parecer impossível, mas se você seguir essas dicas você vai manter a sua vibração elevada e como resultado o seu relacionamento pode desfrutar a felicidade por um longo, longo tempo.

É claro que cada casal é diferente e não há uma estratégia em uma caixa magica que irá magicamente transformar seu relacionamento em êxtase conto de fadas. Com isso dito, a relação só pode espelhar o que você sente (o que você está vibrando), de modo que a relação está se debatendo, você tem que fazer alguma coisa para se sentir diferente e atrair mais energia (sentimentos e comportamento) de seu parceiro.

Elevar a sua vibração para manter seu relacionamento feliz

1. Sorrir e rir muito. Aprenda a rir de si mesmo, nos absurdos da vida, nos erros do outro. E daí se ele apoiou no carro ou em sua moto? E daí se ela derrubou a sua cerveja? Este é o fim do mundo? Vale a pena discutir? É mesmo? Ninguém é perfeito, então tente não deixar equívocos e erros incomodá-lo.

2. Escolha para ver o melhor. Escolha para ver o melhor de si, em vez de resolver em um padrão de ver o pior. Por que é que as pessoas parecem se concentrar em hábitos e características peculiares e irritantes uns dos outros? O que acontece é que depois de zona em um hábito irritante, você, inconscientemente, vai à procura de outras coisas que ira perturbá-lo - só porque você já baixou a sua vibração. Você não pode mudar as pessoas para que não se incomode. Em vez disso, mudar a sua percepção do hábito ou característica. Pergunte-se por que o incomoda. Pergunte a si mesmo se há alguma coisa que você possa fazer sobre isso. E se não, pergunte a si mesmo por que você sente que não pode aceitá-la. Você pode simplesmente achar que você pode aceitá-lo depois de tudo. Adicione à lista de coisas que fazem seu parceiro interessante e original!

3. Brincar. Muitas vezes nós pegamos no trabalho, filhos e tarefas domésticas e é fácil de colocar o relacionamento em segundo plano. Não faça isso! Arranje tempo para brincar juntos. Marque um dia para o sexo, encontrar um esporte ou hobby que você tanto gosta, ir explorar juntos ... só não adquira o hábito assistir TV todas as noites. Tédio = desastre relacionamento. Brincar é divertido, divertido e cheio de bons sentimentos. Bons sentimentos = alta vibração!



Você não pode mudar alguém, mas você pode mudar a sua percepção!

4. Argumente com respeito. Vocês dois são diferentes, com diferentes origens e perspectivas. Faça o seu melhor para ver as coisas do ponto de vista do seu parceiro para que você possa mais facilmente chegar a uma solução feliz. Para ter argumentos produtivos: não para xingamentos, sem dragagem no passado, não culpar, e não "você fez" ou "você deveria." Estado o seu ponto com calma, com amor, e com uma resolução em mente, e não a emoção barata de vingança. Cuidado para não "reagir" emocionalmente; dar-se um tempo fora e quando estiver mais calmo, "responder" com o objetivo em mente: feliz resolução.

5. Seja bons parceiros. Tenho algumas metas em conjunto, nada de ajudar uns aos outros limpar a garagem. É mais fácil de partilhar os encargos diários, se você tem objetivos comuns e, claro, se você pedir muito bem, em vez de exigir ou atribuir tarefas. Quando um de vocês é confrontado com um desafio (como um desafio financeiro, ou ganho de peso recente) levá-la em conjunto, em vez de dizer "você deve começar suas finanças sob controle" ou "você precisa ir na academia."

6. Respeitar e apreciar um ao outro. Faça perguntas, respeitar os seus conhecimentos, e apoiar os seus objetivos.

7. Tenha sua própria vida. Você tinha amigos antes de se tornar um casal, e essas amizades podem facilmente cair no esquecimento se você não alimentá-los. Dividir a amizade  com seu parceiro.  Confiar uns nos outros para ter uma vida fora do relacionamento. Você também tem os seus próprios interesses e paixões. Não dê aqueles up! Seja você, vá para os seus próprios sonhos, e faça o que você ama!

8. Fale mais alto. Seu parceiro não pode ler sua mente. Se você tem idéias, valores, preocupações, desejos, sentimentos e necessidades - é claro que você faz, você é um ser humano - não evite expressar-los por medo de ferir os sentimentos do seu parceiro. É melhor limpar o ar agora, ao invés de lidar com uma grande explosão depois, quando todos os seus ressentimentos foi varrido  para debaixo tapete. Além disso, se você não expressar o que está dentro de você, você não tem direito a se irritar  se o seu parceiro não atender às suas expectativas!

O amor pode durar para sempre, se você ficar em alta vibração!


9. Não defina expectativas. Nos todos entramos em uma relacionamentos com expectativas de que esta pessoa vai fazer por nós. Deixe-os ir. Ninguém pode fazer você feliz, ninguém pode completar  você, ninguém pode preencher um "buraco" dentro de você. Você estava completa e muito bem antes de seu parceiro chegar, por isso não se tornar o apêndice do seu parceiro. Seja você mesmo! Deixe o seu parceiro ser ele / ela mesma! Basta definir a intenção de desfrutar da companhia uns dos outros, e para ser feliz de ter alguém para compartilhar sua vida.

Você pode sempre olhar para o seu corpo para respostas, se você não sabe o que fazer. Sua mente / corpo / alma é uma entidade, não se separam, e um monte de sabedoria intuitiva vem através de sinais físicos. Ouvir coisas como: insônia, indigestão, suores frios, poço no estômago, aperto em torno do coração, leveza, peso, energia, fadiga ... estes podem sinalizar algo mais, mas eles também podem ser diretamente relacionadas a seus emoções .

Aproxime-se seu relacionamento com o resultado final em mente - a felicidade e o amor - você vai resistir a qualquer tempestade e manter as coisas cantarolando suavemente


Fonte -  Love or Above


quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

O perigo de se tornar a escuridão quando lutamos contra o lado negro


O personagem de Boromir no filme O Senhor dos Anéis, que é tentado pelos poderes das trevas oferecidos por um anel do mal sobrenatural. Cada personagem da história é simbolicamente testado por serem expostos ao anel, que traz à tona o desejo escondido dentro de seres humanos para a ganância, o egoísmo, poder e controle por meio da força e dominação.

Vendo agendas globais córrego escuro rolando sobre bondade, verdade e liberdade em todo o mundo é mais do que suficiente para fazer alguém se sentir irritado, negativo, e mesmo enfurecido. Nós, como uma humanidade, junto com todos os nossos direitos, estão sob cerco e a resposta mais comum a ser atacado é através de raiva e agressão, ou de medo e retiro que se baseia em uma luta cru ou reação de fuga. Embora, por vezes, parece que não há outra maneira de responder, existe o perigo de tornar-se a mesma coisa que temos a intenção de derrotar se agirmos através de agressão ou ódio em qualquer outra forma.

Em vez disso, há uma outra maneira de responder em que ainda é capaz de se levantar e defender-nos contra a escuridão, mas fazê-lo de um lugar dentro da  consciência. Foi ensinado desde os tempos antigos e até mesmo os cavaleiros Jedi da série de filmes Star Wars usou. Exige uma disciplina interna e dá acesso à inteligência e poder do amor,  algo crucial para derrotar os ataques de escuridão .

A raiva leva ao lado negro



Lembre-se da famosa cena do filme O Retorno de Jedi em que Luke Skywalker enfrenta seu pai Darth Vader na batalha.

O mal Sith Lord Sidious encoraja Lucas a lutar contra o seu pai usando agressão e ódio. Sidious astuciosamente sabe que, mesmo enquanto Luke luta contra o mal, se ele faz isso usando o ódio, em seguida, Lucas já está sucumbindo para o lado negro, porque o ódio e a raiva são da própria natureza da escuridão. As entidades inter-dimensionais por trás da agenda escuro tomando conta do mundo , como o Sith de Star Wars, explorar o poder do lado negro da "força", que é luz a substância do universo e da criação, mas invertida, usando o ódio em vez de amor (que é por isso que quando você vê símbolos da luz invertida, você sabe magos negros são susceptíveis de estar por trás disso).


Lucas deve lutar para conter sua própria raiva e use o lado da luz "a força", que é o amor. Assim, ele se torna um verdadeiro Jedi, como alguém que se opõe a mal, mas fá-lo de um lugar de amor, não o ódio, e que preferia morrer do que ir para o lado negro.

Um tema semelhante é utilizado na trilogia O Senhor dos Anéis, de JRR Tolkien, onde os personagens são colocados à prova ao ser tentado com o poder do anel, o que lhes daria acesso a  vastos poderes das trevas , permitindo-lhes, finalmente, libertar si e suas pessoas do mal que procura escravizá-los todos. Como em Star Wars, os heróis e heroínas da história deve resistir querendo lutar "o lado negro", usando o poder da escuridão e use os poderes da luz, como o amor, a coragem e a verdadeira amizade. Aqueles que sucumbem a luta contra a escuridão usando poderes das trevas se tornar o muito mal que originalmente se propôs a destruir.

O personagem de Boromir no filme O Senhor dos Anéis, que é tentado pelos poderes das trevas oferecidos por um anel do mal sobrenatural. Cada personagem da história é simbolicamente testado por serem expostos ao anel, que traz à tona o desejo escondido dentro de seres humanos para a ganância, o egoísmo, poder e controle por meio da força e dominação.

Tanto Lucas e Tolkien estudou religiões antigas e os ensinamentos espirituais, e trouxe na cultura popular a essência da luta entre o bem eo mal encontrado nas mensagens de Jesus, Krishna, e Lao-tzu.

Ódio eventualmente nos transforma um contra o outro

Embora possa se sentir totalmente justificada a ser insultuoso, de ódio e ressentimento para aqueles que atacar e ferir-nos, alimentando má vontade e ódio, mesmo para o criminoso mais traiçoeiro na terra, alimenta a energia do ódio dentro, no entanto, e que a raiva cresce mais é alimentado como um animal que começa a ficar fora de controle. Não pode mesmo ser um sentimento de satisfação em denegrir e ferir aqueles que nos prejudicam; muitos, tem uma sensação de impotência para aqueles cujas ações diminuir a liberdade da humanidade, tonar sua raiva e frustração de várias maneiras.

Como inofensivos como esta ventilação parece, alimentando raiva dentro é em última instância prejudicial para a ficar com raiva e tendo prazer de ferir os outros é em sua essência algo demoníaco. Essas entidades demoníacas por trás da agenda global escuro tem o prazer de ver o sofrimento dos outros, e quem alimenta essa vai para o lado escuro, não importa quão altruísta seu objetivo. Essa raiva pode facilmente transformar as pessoas umas contra as outras, mesmo dentro daqueles que estão ativos na luta pela verdade, como a raiva torna-se mais facilmente inflamada e começa a atacar qualquer um que discorde, criando brigas e desarmonia entre aqueles que supostamente são feitos para serem incutir princípios superiores em todo o mundo. Onde quer que exista esse tipo de divisão, não pode haver luta eficaz contra a escuridão.





Repare na cena acima tirada de Senhor dos Anéis, como o poder das trevas parece se alimentar da raiva entre aqueles que fazem o bem. JRR Tolkien teceu uma história metafórica incrível sobre todas as raças da terra que precisam trabalhar em conjunto para combater uma agenda escura que esta crescendo.

Então, será que podemos realmente vencer esta batalha, ou qualquer para essa matéria, com raiva? Se lutarmos  contra o ódio daqueles que nos escravizar através da utilização de nossa própria energia de ódio, ele poderia nos transformar em a mesma coisa que estamos lutando contra. E o que é a batalha de qualquer maneira, se acabar por gastar as nossas vidas de amargura e raiva?

Observadores passivos manter a calma, mas sem crescer

Agindo a partir de  um ponto de integridade dentro , enquanto que no meio de uma guerra entre o bem e o mal, é extremamente difícil para dizer o mínimo, já que os impulsos das unidades animalescos instintiva e compulsivamente surgem, eclipsando a consciência como eles fazem. Opondo-se ao mal pode trazer para fora algumas das respostas psicológicas mais crus e cruéis dentro de um ser humano, incluindo o desejo de vingar, para ver os outros sofrerem, e matar brutalmente. Muitos recuo da oposição ao mal e as respostas que ele traz, e em vez agarrar uma sensação de paz por simplesmente evitar todo o conflito e por não se envolver. 

Mas o desejo por um mundo melhor tem de se traduzir em ação, o que significa que nós realmente temos que sair e fazer as coisas. Se valorizamos luz, verdade e bondade, também temos o dever de defendê-lo contra a escuridão, pois sem que a defesa, a bondade seria simplesmente ser erradicada da face da terra pelos planos do mal. Ao fazer isso, aqueles que se opõem mal deve enfrentar seu verdadeiro eu, pois é apenas para enfrentar a oposição que o lado escuro de nossa própria psicologia emerge e pode, assim, ser vista e alterada; grande parte da batalha é superar a escuridão dentro e é isso que leva à mudança interior real e crescimento espiritual.

Textos sagrados antigos revelam a filosofia da ação, sem ódio

Um dos ensinamentos mais poderosos do mundo sobre o assunto é o famoso texto do Bhagavad Gita em que Krishna revela uma série de profundas verdades a príncipe Arjuna sobre a natureza da realidade antes de saírem para a batalha na guerra de Kurukshetra. Ele expõe uma filosofia incrível, encontrou eco na Jedi de Star Wars, em oposição a escuridão de um lugar de compaixão e desapego. Nele, nem fugindo e evitando-lo, ou lutando com ódio e raiva, é o caminho certo a seguir, em vez Krishna ensina Arjuna o que é chamado o Caminho da Ação Correta.


A raiva induz ilusão; desilusão, perda de memória, através da perda de memória, a razão é quebrada, e perda da razão leva à destruição. Mas a alma auto-controlado, que se move entre os objetos dos sentidos, livre de qualquer apego ou repulsa, ele ganha paz eterna. Tendo atingido Paz, ele torna-se livre da miséria, pois quando a mente ganha a paz, a discriminação direita segue. ~ Krishna, O Bhagavad Gita


Uma filosofia semelhante é encontrada no antigo texto chinês Tao Te Ching:

Unevolved pessoas estão ansiosos para agir de acordo com a força, mas uma pessoa de Tao valoriza paz e tranquilidade. Ele sabe que todo ser nasce do útero do Tao. Isto significa que os seus inimigos são seus inimigos segundo, seus próprios irmãos e irmãs em primeiro lugar. Assim, ele recorre às armas apenas na necessidade mais terrível, e então usa-los com a máxima moderação. Ele não tem prazer na vitória, porque para se alegrar com a vitória é ter prazer em matar. Quem tem prazer em matar não vai encontrar o sucesso neste mundo. ~ Lao-tzu, Tao Te Ching

Jesus também foi retratado nos Evangelhos como alguém que se opôs a escuridão, mas ao mesmo tempo o fez a partir de um lugar de amor.

Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e odiar o teu inimigo, mas eu vos digo, amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem, para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos. ~ Jesus, Mateus 05:43

O amor é um estado de ser no interior , para sentir amor por aqueles que nos magoam, para abrigar sem ressentimentos ou má vontade para com qualquer um, não importa o que eles têm feito, é difícil de conseguir, mas algo muito interessante, uma vez que, em seguida, nos permite manter o amor como um estado permanente de ser mais do que um sentimento que surge pessoas apenas cerca de seletivas em momentos seletivos.

O poder do amor e da consciência

Às vezes parece que não há outra maneira de usar a raiva, insultos, e as reações na luta pela verdade, liberdade e justiça. No entanto, o amor e a justiça não pode ser apenas o objetivo final a ser realizada por qualquer meio. Se assim for, eles só poderão permanecer como um ideal que não pode ser alcançado, a ser alcançado também devem ser os meios.

Ser capaz de lidar com as pessoas envolvidas em atividades prejudiciais em uma consciente, justa e imparcial forma permite que a inteligência do amor a surgir e para que possamos ser mais eficazes em nossas ações. Embora a raiva e o ódio nos faz compulsivo, reativa e violento, desprendimento e consciência nos permite perceber uma situação clara da nebulosidade de emoção e agir da melhor maneira. É possível ter um sentimento de amor para com aqueles que nos feriram, apesar de ainda agir com justiça para nos defender contra eles. Desta forma, o amor se torna um estado permanente e modo de ser, em vez de apenas um sentimento fugaz.

O amor é muitas vezes visto como algo sentimental e fraco, enquanto agressão dá a alguém a aparência de força e coragem. No entanto, pode ser surpreendente descobrir que é exatamente o oposto: o amor verdadeiro vem da consciência dentro e dá muita coragem, força e inteligência que não depende de coisas externas e dá a capacidade de suportar até mesmo as maiores dificuldades, enquanto agressão só incha alguém que pode vir a ser muito fraco dentro controlado pelos extremos de raiva e medo que são completamente dependentes de circunstâncias externas.

Para defender a bondade contra o mal é tão importante e uma coisa maravilhosa, mas em última análise,  se nós não nos libertarmos  da nossa raiva, ódio e ressentimentos, que eles são mantidos no sentido em nossas vidas, então vamos perder a guerra interior. Como encontrado em muitos ensinamentos sagrados antigos, a batalha no sentido mais verdadeiro, é o único contra a escuridão dentro de nós, que é o propósito por trás  da luta intemporal entre o bem e o mal no mundo  de qualquer maneira.

Fonte: Waking Times



segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Siga por onde seu coração mandar


Posso ser conhecedor de todos os mistérios quânticos e criar técnicas revolucionarias de catarses psicológicas, de curas físicas, de reprogramação mental, energética, holística, mas, me responda, do que adiantará se nada disso produzir amor?

Posso ser o melhor orador, debater com grandes mestres, ter profundo conhecimento intelectual, psicológico, histórico, físico, filosófico, mas, sinceramente,se nada disso me aprofundar na consciência do amor, serei apenas um soberbo cheio de ideias.

Se eu souber todos os mistérios da neolinguística, me tornar mestre em técnicas milenares, doutor em teologia, conhecedor de fórmulas, sistemas, rituais sem a percepção de que nenhuma ferramenta, por mais útil que seja, produzirá amor, serei um alegre com prazo de validade, sem paz, sem felicidade, caminhando para a frustração até que outra novidade apareça.

Tudo pode ser bom, se deixarmos, tudo é apontamento, caminho, mas nunca destino final, afinal, a consciência do amor se aprofunda em simplicidade, no cotidiano, nas experiências, no “não saber”, no vazio, em cada escolha, nas pequenas respostas à vida, em vida.

Cada um de nós faz sua própria viagem, cada uma reflete o momento em que está e, sim, pode ser uma seta, um estágio que ajude muito até que aprendamos a caminhar com as próprias pernas, seguros, gratos, suficientemente maduros para entender que não se vive em maquetes, mas na vida, nas ruas, nos relacionamentos, com gente diferente da gente, em ambientes hostis muitas vezes, contraditórios outras tantas, expostos a completa imprevisibilidade da vida, a não linearidade dos caminhos, das relações, das experiências que se conectam, se vinculam, se desdobram e se enraízam em quem se faz presente e não cobiça o controle.

Viva seus momentos, experimente, aprenda, cresça, há muitas coisas boas, há muita gente legal, sim, muitos grupos, muitos caminhos, muitas propostas, muitos fragmentos de verdade espalhados pela terra, uns tem nomes orientais, outros ocidentais, outros tantos nem nomes tem, são “pequenos” de mais para serem percebidos, há estradas e estradas em todos os cantos e, cada vez mais, códigos diferentes, discursos aparentemente opostos que apontam para o mesmo lugar, que se tocam no essencial e isso é maravilhoso!

Siga por onde seu coração mandar, conforme sua cultura, sua história, seu momento, sua consciência, mas, não esqueça: nenhum caminho pode produzir amor se não estiver conectado a prática da vida, as experiências diárias, as contradições de existir em verdade, em presença, em simplicidade, em amor. O que passar disso é só labirinto, um caminho com fim em si mesmo e nada mais. 

Flavio Siqueira 


sábado, 8 de fevereiro de 2014

A Liberdade dá asas


"O maior medo que existe neste mundo é o da opinião dos outros. E, no momento em que passa a não temer o grupo a que pertence, você deixa de ser uma ovelha, você vira um leão. Um grande rugido se avoluma no seu coração, o rugido da liberdade.

Buda de fato já o chamou de o rugido do leão. Quando o homem chega num estado de absoluto silêncio interior, ele ruge como um leão. Pela primeira vez, ele sabe que a liberdade provém do fato de não ter mais medo da opinião de ninguém. O que as pessoas dizem não importa. Se eles o consideram um santo ou um pecador é irrelevante; seu único juiz é Deus. 

E para Deus, uma pessoa nunca é ruim. 

Deus significa simplesmente todo o universo.

Não é uma questão de ter de encarar uma pessoa; você tem que encarar as árvores, os rios, as montanhas, as estrelas – o universo inteiro. E esse é o nosso universo, fazemos parte dele. Não é preciso ter medo dele, nem lhe esconder nada. O todo já sabe de tudo, o todo sabe mais sobre você do que você mesmo.

E a questão seguinte é até mais importante: Deus já julgou. Não se trata de algo que vai acontecer no futuro; isso já aconteceu: ele já julgou. Portanto, até o medo do julgamento perde o sentido. Não é uma questão de esperar o Dia do Juízo Final. Você não precisa temer. 

O dia do julgamento já aconteceu no primeiro dia; no momento em que criou você, ele já o julgou. Ele conhece você, você é criação dele. Se algo saiu errado com você, é responsabilidade dele, não sua. Se você se perder, ele 
é o responsável, não você. Como você poderia ser o responsável? – você não é criação sua. 

Se você pinta um quadro e algo sai errado, não pode dizer que o quadro é a causa do erro – o pintor é a causa.

Portanto, não há necessidade de temer o seu grupo ou algum Deus imaginário lhe perguntando, no final dos tempos, o que você fez ou deixou de fazer. Ele já o julgou – isso é realmente significativo – isso já aconteceu, portanto, você está livre. 

E, no momento em que a pessoa sabe que está totalmente livre para ser ela 
mesma, a vida começa a adquirir um certo dinamismo.

O medo cria grilhões, a liberdade dá asas."
Osho 


terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Enxergando espaços para crescer



Que tal resolver enfrentar esse dia seguir adiante? Usar cada pedra para construir um pedaço da morada que cresce para dentro, superando, ultrapassando, transcendendo a própria dor, projetando significados, enxergando espaços para crescer, por mais difícil que seja, por mais que você queira sentar e chorar – e há tempo para isso- , por mais que ache que não dá.

Quando a noite for embora, levanto da cama e me surpreendo por conseguir andar, por ver o sol de novo, porque a noite passou e a manhã me trouxe até o dia da minha escolha, o dia chamado hoje, o dia eterno daquele que entendeu que esse é o único dia que existe, que o agora não é um evento no calendário, mas um espaço existencial.

Não tenho controle sobre todos os acontecimentos, mas o que fazer com eles é unica e exclusivamente escolha minha.

Não posso evitar todas as tragédias, mas posso escolher entre revivê-las sucessivamente todos os dias ou ultrapassá-las e sair mais experiente do outro lado.

Não gosto de tudo o que vejo e, se pudesse, pularia uma série de etapas, mas são elas que me tiram da zona de conforto e me dão chances para enxergar o que existia em mim, mas estava escondido.

Não sei lidar com uma série de imprevistos, mas aprendo se mantenho a serenidade de olhar, mesmo diante da momentânea perplexidade em lidar com aquilo que não quero.

Não quero experimentar tragédias e dores, prefiro o descanso e a paz, mas, ao enfrentá-los, desloco a experiência do descanso e da paz para dentro, não como fruto da necessidade de uma vida tranquila e estável, mas como reflexo de quem entendeu que é na interioridade onde vive a realidade.

Não concordo com tudo o que acontece, definitivamente mudaria muitas coisas na vida e assim, aprendo a esperar e ter calma antes de qualquer coisa, entendendo que dores são oportunidades para a paciência, a paciência para experiência , a experiência, esperança e a esperança gratidão.

De dores em dores, de perplexidade às tragédias que não escolho, da luta e o do susto que não domino, sou eu quem escolho, afinal, o que vou fazer com isso? 

Flavio Siqueira 


sábado, 1 de fevereiro de 2014

Novo Estudo: Meditação altera os genes rapidamente, desencadeia mudanças moleculares

Se você é um praticante de meditação, os resultados de um novo estudo publicado na  Psico neuroendocrinologia  provavelmente vai vir como nenhuma surpresa. Mas, para alguns cientistas, a revelação de que a meditação pode realmente provocar mudanças moleculares é inovador.

Os pesquisadores da Universidade de Wisconsin-Madison e do Instituto de Pesquisa Biomédica, em Barcelona, ​​Espanha  encontraram indivíduos que participavam de 8 horas intensivo  meditação mindfulness apresentaram alterações moleculares significativos.

Um grupo de praticantes de meditação experientes passou um dia de 8 horas, em plena consciência, enquanto um grupo de controle passou o dia em atividades tranquilas, mas não meditativas. O grupo de meditação passou por mudanças genéticas, incluindo redução dos níveis de genes inflamatórios como RIPK2 e COX2, indicando uma recuperação mais rápida de situações estressantes.

Como a medicina  relata hoje a noticia :

"A medida em que alguns dos genes foram reprimidos foi associada com a recuperação mais rápida do cortisol ao teste de estresse social, onde os participantes foram desafiados a fazer um discurso de improviso ou cálculos mentais completos na frente de uma platéia."

Em outras palavras, a meditação ajudou os participantes a manter a calma sob pressão.

"O regulamento de HDAC e vias inflamatórias podem representar alguns dos mecanismos subjacentes ao potencial terapêutico das intervenções baseadas em mindfulness. Nossos resultados define as bases para futuros estudos para avaliar novas estratégias de meditação para o tratamento de condições inflamatórias crônicas ", explica  Perla Kaliman,  co-autor do estudo.

Longe de o primeiro estudo sobre a meditação, este  é  o primeiro a demonstrar alterações moleculares causadas pela prática milenar.

"Nossos genes são bastante dinâmicos na sua expressão e estes resultados sugerem que a calma da nossa mente pode realmente ter uma influência potencial sobre a sua expressão", disse o Dr. Richard J. Davidson, do Centro de Investigação de Mentes Saudáveis.

A meditação tem sido usada há séculos e mais tempo para ajudar a humanidade com seus esforços espirituais e de saúde. Em outras palavras, este estudo é recuperar o atraso com que muitas pessoas já sabem há muito tempo, que a mente  pode  influenciar o corpo.

Outros estudos ligaram a prática da meditação com redução da tensão, IBS e alívio digestivo, a flexibilização de sintomas de resfriado, e ajudando a regular a pressão arterial. Meditação foi mostrado mesmo para  bater morfina na redução da dor  em um  pequeno estudo . Estes estudos não explicou  como  a meditação estava trabalhando, mas este mais recente parece tocar em uma nova extensão de potencial.

Quando se trata do mundo da ciência, a evidência é rei. Anedotas e pesquisas que revelam meditação para ter benefícios físicos não são tão convincentes como prova genética. Praticantes de meditação pode não precisar que tipo de evidência laboratorial, mas para os cientistas que fornece uma base de legitimidade para a prática eles podem já duvidaram.

por: Elizabeth Locatário, Sociedade Natural 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...