quinta-feira, 31 de outubro de 2013

DIA DAS BRUXAS?




Eis parte da história na idade média... 

Nesta época, raizeiras, fitoterapeutas, rezadeiras e conhecedoras da sabedoria popular da época eram chamadas aos castelos para livrar a realeza de muitas doenças que os Magos do castelo (médicos da época) desconheciam a cura. Após o tratamento, estas mulheres eram recompensadas pelo serviço feito ao rei, gerando aos magos ciúmes e produzindo difamações. Como parte da história era inexplicável, ficou assim:
* Andavam a noite com vassouras - Estas mulheres carregavam cajados para se defender de animais selvagens e para ficar com suas mãos livres, amarravam as plantas coletadas em seus cajados.
* Saiam em noites de Lua Cheia - para andar a noite ou na madrugada para coletar as plantas que usavam, aproveitavam a claridade da 
Lua Cheia para iluminar.
* Usavam Unha de Gato, orelhas de sapos - estas eram as plantas com nomes populares entre elas.
* Vestimentas pretas - forma de camuflar no escuro da noite.
E hoje em dia? 

(fonte face Nova Consciência, autoria desconhecida)



quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Relação e Relacionamento


"Quando falo de amor, estou falando desse amor: um amor que não é um relacionamento, mas um estado de ser. Lembre-se sempre que eu usa a palavra "amor", eu a uso como um estado de ser, não como um relacionamento.

Relacionamento é apenas um aspecto muito pequeno do amor. Mas a ideia que você faz do amor é basicamente a do relacionamento, como se isso fosse tudo.

O relacionamento é necessário apenas porque você não pode ficar sozinho, porque você ainda não está pronto para a meditação. Portanto, a meditação é um dever antes de você poder realmente amar. Deve-se ser capaz de ficar só, completamente só, e ainda assim ser imensamente feliz. Então, você é capaz de amar. Então o seu amor não é mais uma necessidade mas, um compartilhamento, não mais uma necessidade; Você não vai se tornar dependente das pessoas a quem ama. Você vai compartilhar - e compartilhar é lindo. 

Mas o que comumente acontece no mundo é, você não tem amor, a pessoa a quem você pensa que ama não tem amor no seu ser também, e ambos procuram amor um no outro. Dois mendigos mendigando um ao outro! Daí a luta, o conflito, a disputa contínua entre os amantes - sobre trivialidades, sobre insignificâncias, sobre idiotices! - mas ambos continuam competindo.

A disputa básica é que o marido pensa que não está recebendo o que lhe é de direito, a esposa pensa que não está recebendo o que lhe é de direito. A esposa pensa que está sendo enganada e o marido também pensa que está sendo enganado. Onde está o amor? 
Ninguém se incomoda em dar, todo mundo quer receber. E quando todo mundo está atrás de receber, ninguém recebe e todo mundo se sente prejudicado, vazio, tenso.

Os fundamentos básicos estão faltando, e você construiu um templo sem fundações. Ele pode ruir a qualquer momento. Você sabe quantas vezes seu amor desmoronou e ainda assim você continua fazendo a mesma coisa uma vez atrás da outra.

Você vive em total inconsciência! Você não vê o que tem feito da sua vida e da vida dos outros. Você segue em frente mecanicamente, como um robô, repetindo os velhos padrões, sabendo muito bem que fez o mesmo antes. E você sabe qual sempre foi o resultado, e no fundo também está procurando que aconteça o mesmo outra vez - porque não há diferença. Você está se preparando para a mesma conclusão, o mesmo colapso.

Se você pode aprender alguma coisa com o fracasso do amor, será tornando-se mais atento, mais meditativo, mais consciente. E por meditação eu quero dizer de se alegrar sozinho. Raríssimas pessoas são capazes de ser felizes sem nenhum motivo - só por sentar-se em silêncio e contentes. Outros vão achar que estão loucas, porque a ideia de felicidade é a de que felicidade tem de vir de outra pessoa. (...)

A meditação libera o seu esplendor aprisionado. E você fica tão feliz, uma tal euforia brota do seu ser, que você não precisa de nenhum relacionamento. Ainda assim, você pode se relacionar com as pessoas... e essa será a diferença entre relação e relacionamento.

Relacionamento é uma coisa: você se aferra a ele. Relação é um fluxo, um movimento, um processo. Você conhece uma pessoa, vocês estão amando, porque vocês têm tanto amor para dar - e quanto mais vocês dão, mais vocês recebem. Depois de ter entendido essa estranha aritmética do amor: quanto mais você dá, mais você tem.. Isso é exatamente contra as leis econômicas que se aplicam ao mundo exterior.

Depois de saber disso, se você quiser ter mais amor e mais alegria, você dá e compartilha, então simplesmente compartilha. E seja quem for que permita a você compartilhar sua alegria com ele ou ela, você se sentirá grato a ele ou a ela. Mas isso não é um relacionamento, é um fluxo como o de um rio.

O rio passa ao lado de uma árvore, cumprimenta-a, alimenta-a, dá-lha água... e vai em frente, dançando. Ele não se prende à árvore. (...) O vento chega, dança ao redor da árvore e segue em frente. E a árvore empresta o seu perfume ao vento.

Isso é relação. Se a humanidade crescesse, amadurecesse, essa seria a maneira de amar: as pessoas se conhecendo, compartilhando, seguindo em frente, sem possessividade, sem dominação. Do contrário, o amor se torna um jogo de poder."

Osho em Intimidade, como confiar em Si mesmo e nos outros.


terça-feira, 29 de outubro de 2013

A Lei da Assunção

Embora tenha havido uma quantidade significativa de ênfase sobre a Lei da Atração, eu acredito que a Lei da Assunção é realmente a pedra fundamental na criação de sua realidade. Nos termos da Lei de Assunção, o mundo que você vê depende não tanto quanto o que está lá, mas os pressupostos que você faz quando você olha para ele. Suas suposições são de que o que você acredita, sente, pensa e consente. 

Todas as suas experiências são determinados por seus pressupostos e é como você está usando a sua imaginação que está dirigindo nestes pressupostos para criar o seu estado de ser. Para uma suposição vai construir ponte de incidentes que levam, inevitavelmente, para o cumprimento da sua imagem de seus desejos conscientes ou inconscientes.

Para muitos de nós os nossos pensamentos são mecânicos e porque estamos dormindo ao poder da nossa imaginação, temos uma tendência de negar tudo e acreditar que tudo que está fora de nós mesmos é fato. Nosso pensamento negativo contínuo provoca emoções para baixo e essas emoções pessimistas nos mantem  preso a experiências indesejadas. Aqui está um exemplo simplista. Se você acredita que as pessoas não têm boas maneiras e são rude, normalmente você vai encontrar esses tipos de pessoas durante todo o dia para validar suas suposições. Alguém vai entrar na sua frente na fila. Alguém não vai segurar a porta para você. Alguém vai bater-lhe na calçada e olhar para você como se você fez algo de errado.

Quando despertamos para o  poder da nossa imaginação , podemos direcionar nossas suposições ao longo de um caminho mais positivo e ao fazê-lo mover nossas emoções em um sentido ascendente. Quando suas emoções estão fluindo positivamente, você vai descobrir que seus mundo muda para corresponder ao seu conceito de si mesmo. Fá-lo porque a mente organiza uma imagem de tudo o que você acredita e concorda com a verdade.


A fim de trabalhar de forma construtiva com a Lei de Assunção, você tem que entender a diferença entre a forma como é o trabalho do mundo espiritual e físico. No mundo físico ou externo, temos a tendência de dizer: 'esta é a realidade' ou 'esta é a forma como ela é ". Sabemos que o mundo através dos nossos sentidos mentais e nós temos uma tendência de ter uma visão fixa dele. Este ponto de vista objetivo sempre refletirá de volta para você o seu estado interior de existência.

É através do plano espiritual ou mundo interior que você tem poder transformador. Através do uso consciente da sua imaginação, você pode se apropriar subjetivamente sua realidade objetiva. Em outras palavras, seus pressupostos coloca-lo psicologicamente, onde você não está fisicamente e quando o ser interior sabe que o estado de espírito que vai projetá-lo para a sua realidade.

Então como é que você trabalha com a Lei de Assunção? Você primeiro tem que ter um  desejo ou objetivo na vida . Depois de ter determinado o que é que você quer, você precisa ir para dentro e  vestir o seu desejo em sua imaginação . Dê-lhe todos os sentimentos da realidade e brinque  com sua imaginação até que você capturar o estado emocional do ser.

Durante todo o dia, o check-in com o seu status. Pergunte a si mesmo: Onde estou psicologicamente? Estou montando o estado desejado de ser ou estou vendo meu mundo no negativo? Estou mantendo o tenso? Com isto quero dizer, como você está usando as palavras  "eu sou" ? Você está no momento presente, ou você está dizendo, "Eu vou ser ..." ou "Eu vou ..."? Traga-se constantemente de volta para o momento e permitir-se a apropriar-se dos sentimentos do estado desejado. Fazê-lo com frequência. Você tem o poder para reorganizar sua mente, portanto, mudar a sua realidade. Comece agora.

Fonte : Wanking Times. 




segunda-feira, 28 de outubro de 2013

A felicidade é um estado de espírito.





A energia de uma pessoa livre é repleta de amor, coragem e determinação. É uma energia concentrada que rege a mente e as emoções, que não perde de vista o que é importante e não se deixa aprisionar por nada e ninguém. Portanto, a energia de um ser livre é totalmente focada e tem grande poder. Não se trata de falso poder - qu
e pode vir da adrenalina, orgulho e ego - mas sim do poder que nasce de um ser cuja consciência, decisões e ações estão alinhadas. De um ser que sabe que nada ou ninguém pode impedi-lo de ser livre e expressar o seu potencial. - Brahma Kumaris 









 Se a sua mente ainda estiver num estado de confusão e agitação, os bens materiais não vão lhe proporcionar felicidade. Felicidade significa paz de espírito. 

Determinação, coragem e autoconfiança são fatores decisivos para o sucesso. Não importa quais sejam os obstáculos e as dificuldades. Se estamos possuídos de uma inabalável determinação, conseguiremos superá-los. Independentemente das circunstâncias, devemos ser sempre humildes, recatados e despidos de orgulho.Pouco importa o julgamento dos outros.

 Os seres são tão contraditórios que é impossível atender às suas demandas, satisfazê-los. Tenha em mente simplesmente ser autêntico e verdadeiro.

Acredito que o objetivo da nossa vida seja a busca da felicidade. Isso está claro. Quer se acredite em religião ou não, quer se acredite nesta religião ou naquela, todos nós buscamos algo melhor na vida. Portanto, acho que a motivação da nossa vida é a felicidade.

Quando a sua ajuda aos semelhantes é fruto de motivação e preocupação sinceras, isso lhe traz sorte, amigos, alegrias e sucesso. Se você desrespeita os direitos dos outros e descuida-se do bem-estar alheio, acabará imensamente solitário.

Torne o resto da sua vida tão significativo quanto possível.. Consiste apenas em agir levando os outros em consideração. Assim, encontrará paz e felicidade para si mesmo.”

Dalai Lama






domingo, 27 de outubro de 2013

UMA REFLEXÃO PARA POUCOS (bem poucos)



Nosso mundo é feito de sombras e imagens. Reflexos pardos, disformes, imprecisos, distantes ecos, não vozes, não sons objetivos, claros, inteligíveis, mas produções de nossos sentidos que se enganam com facilidade, convencendo-se por sombras, deixando-se levar pelo que não é, mas convém.
Acorrentados uns aos outros, de costas para a saída da caverna, fixamos nossos olhos e permitimos que nossas mentes encarceradas descrevam, expliquem, apontem, elucubrem divaguem, decretem sobre as miragens que se movem, os ecos distorcidos que pensamos nascer das paredes, do teto, do chão e a eles dizemos “que assim seja” e, depois, apesar dos pescoços e pés que não se movem por estarem presos, mexemos nossos corpinhos de prisioneiros como quem tem razões para comemorar, uivamos nossas canções, celebrando em resposta a celebração do outro, reagindo como uma manada que segue seu líder.
Desde a caverna de Platão até as nossas, com ar condicionado e controle remoto, a geladeira cheia, o carrão na garagem e o plasma na parede; ou aquelas mal acomodadas, escuras, escassas de tudo, olhando pela janela de vidro, o mesmo plasma iluminado e pago em dezenas de prestações celebradas pelo governo e chamadas de “inclusão”, vemos ali os reflexos do que dizem ser a vida ideal, a meta a ser atingida, o chamado “mundo das celebridades” mortas, acrescentaria eu; ou quem sabe as cavernas de lata, combustível e rodas que carregam gente solitária, vendo sombras através da película escura, o mundo passando pela janela, sem cheiro, sem som, sem vida, recusamo-nos a reconhecer que a história é parcial, as versões pela metade, as explicações nunca se encaixam depois da segunda página.
Mas quem vira a segunda página? E ao virar a segunda segue para a terceira, quarta e depois continua? Quem ouve sem enfado e desatenção o prisioneiro que saiu da caverna e viu-se obrigado a endireitar-se imediatamente, a voltar o pescoço, a caminhar, a erguer os olhos para a luz: e ao fazer todos estes movimentos sofreu, e o deslumbramento o impediu por um tempo de distinguir os objetos de que antes via as sombras?
Que tipo de luzes te atraem, que sons lhe cativam, que imagens você vê?
Somos todos habitantes da mesma caverna, então por que você, cego, diz “agora vejo” ou então você, prisioneiro, acusa o vizinho de encarcerado?
Ninguém vê sem sentir a cegueira da luz, as dores do parto, a vertigem da liberdade. Não há saída que não nos exponha, dilacere, questione, nos indique a necessidade de abrir mão de valores, resignificar prioridades, deixar entulhos e esvaziar-se de tantas certezas para só depois reconstruir-se.
Estamos todos na caverna, todos, portanto ajudemo-nos uns aos outros e, se alguém julga enxergar um pouco mais, divida com quem nada vê. Quem ouve algum som, reproduza ao surdo que se entrete com a vibração dos ecos, preocupe-se, importe-se, ilumine-se para que a vida não seja tão escura. Há um preço a pagar, um descrédito a enfrentar, um anti fluxo a seguir. Quem está disposto a sair da caverna? Antes de tudo é preciso reconhecer onde está. 

Flavio Siqueira 


sábado, 26 de outubro de 2013

Tudo na vida tem prazo de validade.




Em alguns casos pode durar menos, outros mais, o fato é que chega o tempo em que a textura muda, o sabor termina, o doce azeda.

Se nem tudo vem com rótulo, cabe a nós discernirmos o tempo de cada coisa, interpretando os sinais de que, o que era bom, agora deixou de ser. Venceu.

O problema não é que as coisas estragam, mas a nossa incapacidade em perceber que o prazo venceu.
Profissões também vencem.

Se ao envelhecer, o sujeito continuar com as mesmas expectativas do tempo em que estudava, será um eterno estagiário.

É preciso realimentar as ambições, direcionando os passos a partir do último degrau galgado, não do primeiro.

Casais que esperam encontrar no passar dos anos exatamente os mesmos sentimentos dos primeiros dias, se decepcionarão.

A relação não ficou ruim, ela só mudou.

Tudo muda.

Saber disso, é andar consciente e, só para de caminhar, quem venceu todos os prazos.

Com o tempo, os prazos vencem, a vida muda de cor e o que fazia sentido perde o valor.

Mas é sempre assim.

Dê valor enquanto tem, entregue enquanto pode, mas, o dia em que o prazo vencer, não insista. Não lute contra ele.

Caminhe com gratidão, sabendo que deu seu melhor e que chegou onde deveria chegar, partindo em seguida para novos e melhores caminhos.

Depois dos prazos, novas contagens, novas estradas, novas possibilidades, renovação.

Para tudo há um prazo, cada coisa o seu tempo, o que começa , um dia acaba.

Sábios os que percebem.  

Flavio Siqueira 


sexta-feira, 25 de outubro de 2013

A civilização ainda não aconteceu

Perguntaram a Osho:
Osho,
Parece estranho quando em todo o mundo o estabelecimento,  que está sempre ocupado com todos os seus esforços e meios para se certificar de todas as formas possíveis que o homem não pode permanecer homem, pede-nos para celebrar o "Dia dos Direitos Humanos." Meu Deus, o que é tudo isso que está acontecendo? Osho, você poderia me explicar?

Uma das coisas mais fundamentais para ser sempre lembrada é que estamos vivendo numa sociedade hipócrita.

Uma vez foi perguntado a um grande filósofo: “O que você acha da civilização?” O filósofo respondeu: “É uma boa ideia, mas alguém precisa transformar a ideia em realidade.”

A civilização ainda não aconteceu. É um sonho futuro.

Mas as pessoas que estão no poder – político, religioso, social – estão no poder porque a civilização ainda não aconteceu. Um mundo civilizado, um homem amadurecido não necessita de nenhuma nação. Todas essas fronteiras são falsas. Não necessita de nenhuma religião, pois todas essas teologias são simples ficções.

As pessoas que estão por milhares de anos no poder – os sacerdotes, os políticos, os bilionários – possuem todos os poderes para impedir a evolução. Mas a melhor maneira de fazer isso é convencer o homem de que ele já é civilizado. Convencer o homem que ele já é um ser humano, que você não necessita passar por nenhuma transformação, que isso é desnecessário.

E a fraqueza do homem é: sabendo bem que não existe tal coisa como civilização, que não existe tal coisa como sensibilidade humana, ainda assim ele começa a acreditar em todas as mentiras que os políticos têm falado, que os padres têm pregado, que os educadores têm ensinado, porque parece mais simples apenas acreditar, pois você não tem que fazer coisa alguma.

Reconhecer o fato que você ainda não é um homem cria medo. O próprio chão sob seus pés desaparece.

A verdade deixa o homem completamente despido, despido de todas as mentiras, despido de toda a hipocrisia. É por isso que ninguém quer a verdade. Todos acreditam que já a possuem.

Você vê a estratégia psicológica? Se você não quer dar algo a alguém, convença-o, hipnotize-o, repita uma e outra vez: "Você tem isso."

E quando milhares de pessoas em torno de você - seus pais, seus professores, seus sacerdotes, seus líderes - estão todos acreditando, parece quase impossível para os recém-chegados no mundo, crianças pequenas, não serem convencidos dessa ideia de milhares de anos de idade.

Milhões de pessoas já viveram e morreram acreditando que a civilização aconteceu.

Assim, a primeira coisa que eu quero que vocês compreendam é que ainda somos bárbaros.

Apenas bárbaros podem fazer as coisas que estivemos fazendo por milhares de anos, não os seres humanos. Em três mil anos, cinco mil guerras ... e você chama o homem de civilizado?

Osho, em "Sermons in Stones"


quarta-feira, 23 de outubro de 2013

A religião ainda não aconteceu no mundo

Se a religiosidade se espalhar por todo o mundo, as religiões desaparecerão. E será uma enorme bênção para a humanidade quando o homem for simplesmente homem, nem cristão, nem muçulmano, nem hindu.

Essas demarcações, essas divisões, têm sido a causa de milhares de guerras ao longo da história.

Se você revir a história do homem, não poderá resistir à tentação de dizer que vivemos no passado de uma maneira insana. Em nome de Deus, em nome das igrejas, em nome de ideologias que não têm evidência alguma, as pessoas têm matado umas às outras.

A religião ainda não aconteceu no mundo. A menos que a religiosidade se torne o próprio ambiente da humanidade, não haverá religião.

Mas eu insisto em chamá-la de religiosidade para que não se torne organizada.

Você não pode organizar o amor. Já ouviu falar em igrejas de amor, templos de amor, mesquitas de amor? O amor é um caso individual com outro indivíduo. E religiosidade é um caso de amor maior do indivíduo em relação ao cosmos.

Quando um homem se apaixona pelo cosmos, pelas árvores, pelas montanhas, pelos rios, pelos oceanos, pelas estrelas, ele sabe o que é oração. É inexprimível... Ele conhece uma profunda dança em seu coração e uma música que não tem sons. Ele experimenta pela primeira vez o eterno, o imortal, aquilo que sempre permanece em qualquer mudança, que se renova.

E qualquer um que se torne uma pessoa religiosa e abandone o cristianismo, o hinduísmo, o islamismo, o jainismo, o budismo, declara pela primeira vez sua individualidade. 

Religiosidade é um caso individual; é uma mensagem de amor de você para o cosmos. Só então existirá uma paz que ultrapassa qualquer mal-entendido.

Como não é assim, essas religiões têm sido parasitas, explorando as pessoas, escravizando-as e forçando-as a acreditar.

Todas as crenças são contrárias à inteligência, e forçam as pessoas a orar com palavras que não têm sentido, porque elas não vêm do coração, mas apenas da memória.

Osho, em "Religiosidade é Diferente de Religião: Ensinamentos de Osho para um Mundo em Paz"








As Oito Chaves da Paz - Prem Baba 

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

"TUA FÉ TE SALVOU - Milagres"

Recentemente assisti um documentário que falava sobre milagres. De um lado multidões sedentas, doentes, em busca de um favor divino, um olhar , ainda que discreto, mas que compensasse intensas demonstrações de devoção, sacríficos pessoais, de necessidade de cura, de favor. 

Havia também representantes da ciência. Esses na intensa busca de argumentos que explicasse o que parecia sem explicação, pelo menos não daquele jeito, caso contrário, o tal milagre seria prontamente desqualificado, ainda que inegavelmente algo tivesse acontecido.

Entre os dois grupos havia outro, menor, mas bastante significativo: os promotores de milagres. Gente que se beneficiava da fé alheia, conduzindo-a, comercializando o que de forma alguma lhes pertence, explorando a fé em benefício próprio, ganhando dinheiro, exercendo controle.

Havia defesas, refutações, argumentos e justificativas, idas e vindas na tentativa de dar crédito ou descrédito, referenciar ou contrariar o chamado milagre em uma interminável discussão entre pessoas que parecem não enxergar o simples, em apenas admitir que, em grande parte, o que chamamos de milagre, são manifestações naturais, inerentes em humanos que causam curas e doenças sem perceber, que não sentem o quanto podem modificar energias, interagir em seus corpos, psiquê, com o ambiente, com a vida em um nível que ainda temos enorme dificuldade de enxergar.

Estamos distraídos, entorpecidos, entretidos ao extremo para sequer admitir que o milagre é natural, gratuito, desvinculado de toda aquela panaceia que geralmente os rodeia. Que não precisa da legitimação do Vaticano, da ciência ou seja de quem for porque simplesmente é.

Há em cada um de nós um grau de poder, de força, de regeneração - seja em que nível for - muito maior do que os laboratórios farmacêuticos e os planos de saúde gostariam que soubéssemos. 
O ser humano pode criar além da poesia, da música ou tecnologia, afinal, tudo o que criamos é apenas um pálido reflexo de nosso intrínseco poder de criação de mundos, de realidades, de potencialidades que sequer cogitamos, de curar, de alívio, de possibilidades infinitas.

Um olhar desintoxicado, imparcial, carregado da energia do amor pode bem mais do que imaginamos, alias, ninguém sabe de fato até onde nossas potencialidades vão. Nossas escolhas e prioridades nos transformaram em um mínimo fragmento do que poderíamos ser, do que realmente somos em algum lugar dentro de nós.

"Tua fé te salvou", Jesus dizia. Sim, nossa fé, nossa consciência nos salva do ceticismo controlador que tenta conter, domesticar e arrumar explicações que mantenham as coisas sob controle.

Nos salva da credulidade que se projeta em objetos, lugares, pessoas ou rituais, o poder que é próprio, que mora em cada um de nós.
Nos salva da incapacidade de enxergar e perceber o natural, o que era para ser sempre, o que nós mesmos podemos fazer, criar e curar.

O milagre existe, mas não está lá, ele vive aqui, sempre, naturalmente, sem estardalhaços, sem shows, sem alaridos. Não deve ser recurso para sequestros de qualquer natureza, tampouco artificio de controle e enriquecimento de ninguém. O milagre é natural, mora dentro da gente e acontece sempre que um olho que não via passa a ver, um coração empedrado passa a amar, uma mente fechada se abre em consciência.

Esse é o maior dos milagres, acessível, transformador, revelado pela simples percepção de quem desperta em amor e entende que o milagre somos nós. 

Flavio Siqueira  



Quando acontece algum milagre que vem de nossa fé, a força vem da própria pessoa, nos temos força para conseguir o que desejamos, esta é uma  força  natural, não precisamos de um ser ou santo exterior para nos salvar, nossa potencialidade é grande, é a nossa consciência nossa energia que nos salva, cada um de nós criamos e curamos, como fala o Flavio S." este dom é natural"

Eveline Grein Druziki 


domingo, 20 de outubro de 2013

A religiosidade autêntica é o florescer do seu coração


Uma religião não deveria ser uma organização morta, mas um tipo de religiosidade, uma propriedade que inclui verdade, sinceridade, naturalidade, um profundo relaxamento em relação ao cosmos, um coração amoroso, uma afabilidade para com o todo. Para isso, nenhuma escritura sagrada é necessária.

Na verdade, não há escrituras sagradas em lugar nenhum. As assim chamadas escrituras sagradas nem mesmo provam ser boa literatura. É bom que ninguém as leia porque elas estão cheias de pornografia.

Uma religiosidade autêntica não precisa de profetas, salvadores, livros sagrados, igrejas, papas ou sacerdotes, porque religiosidade é o florescer do seu coração, é chegar ao centro do seu próprio ser.

E, no momento em que você chega ao centro do seu próprio ser, há uma explosão de beleza, de bênção, de silêncio, de luz. Você começa a se tornar uma pessoa totalmente diferente.

Tudo o que era escuro em sua vida desaparece, e tudo o que era errado também desaparece. O que quer que você faça é feito com absoluta consciência.

Eu conheço apenas uma virtude, que é a consciência.

Osho, em "Religiosidade é Diferente de Religião"




sábado, 19 de outubro de 2013

Conhecer a Verdade é Experienciar a Existência como ela é

 "Experienciar a Existência como ela é, é conhecer a Verdade.

   E o mais perto disto é mover-se para seu próprio centro, porque é aí onde você vai se encontrar com a Existência. 
  Suas mãos podem tocar uma flor, seus olhos podem ver as cores das nuvens, do céu, do pôr do sol. Seus ouvidos podem escutar a música dos pássaros, o som da água correndo ou só da brisa passando através das árvores. Ou, no outono, as folhas caindo silenciosamente, mas ainda cochichando algo.
      
  Mas, há uma distância entre você e a nuvem, entre você e as folhas que caem, entre você e as estrelas.
   Independe o tanto que você se aproxima: há, ainda, uma distância.
  A própria palavra proximidade significa duas pessoas, duas coisas, não uma.
      A distância está aí, seja qual for a proximidade, quanto mais perto você fica em um caso de amor com uma pessoa: talvez por alguns momentos, eu não direi por algumas horas, alguns dias, talvez por alguns momentos você se aproxima ao máximo de uma pessoa mas ainda... há uma distância.

    Você gostaria de se tornar um, e essa é a miséria de todos os amantes e a razão pela qual todos os casos amorosos fracassam. Isso não é culpa de ninguém. Eles chegam próximo... o momento da proximidade é tão lindo que eles gostariam de chegar ainda mais próximo, mas existe um limite. Onde está o limite? O outro é o outro e não existe jeito de vocês dois se tornarem um.

    Você pode ir de uma estupidez para outra estupidez, mas se você falhar no amor... e falhar no amor significa não aquilo que ordinariamente significa, que o amado ilude você ou que o amante desaponta você: não, isto não é fracasso.
   De fato, se sua amada ilude você antes do fracasso, isto é evitar o fracasso. Quer dizer, com isto ela salvou você: ela lhe deu novamente a esperança. Agora, você vai correr atrás de outra mulher.
    Por fracasso quero dizer: quando você alcança o ponto em que você gostaria de fundir com o outro e, de repente, você encontra uma lei universal contrária à fusão: os corpos podem se encontrar, os Seres não.

  E, naquele momento, ou você fica azedo e amargo contra o amor: que é como todas as religiões ficaram, amargas e azedas contra o amor: mas isto é falsa religião.

 Não, eu não vejo que você tenha que se tornar azedo e amargo. Na verdade,você deveria estar em êxtase, porque encontrou uma lei muito fundamental da Vida: - que você chegou em um ponto a partir do qual, voltar-se para dentro é possível.
    Não há outro lugar algum para ir. Você pode voltar-se para si mesmo.
    Se isso acontece, então você diz: "O outro é Céu, não Inferno."
  Então você pode mudar aquela afirmativa, porque o outro tornou isto possível a você: falhar na fusão, no derreter deu a você a chance de voltar-se para dentro de si. Você será agradecido para sempre.
   Então o outro é Céu. E, uma vez que você entrou dentro do seu Ser você entrou no Templo. E isto é o que a Religião é, inteira, este entrar em você mesmo é o crescimento absoluto. Você, de repente, floresce.
  
   Não é um crescimento gradual e lento, não. A palavra crescer dá uma impressão errada como se fosse lenta, lentamente...
    Não, é um florescimento repentino. Num momento você era nada, noutro momento... um salto quântico, você é tudo.
   Porque você experimentou seu Ser e aquele Ser é exatamente o mesmo que o Ser do universo. Mas aquela é a única porta disponível. Não há outra porta.
   Nenhuma igreja pode ajudar você! Nenhuma sinagoga pode ajudar você, nenhum templo pode ajudar você!
    Há somente uma única porta que pode ajudar você, e ela está dentro de você.
    Aproveitando um salto para dentro de você mesmo você mergulhou dentro da Existência.
      Neste momento você sente uma tremenda unidade com o Todo.
      Então você não está mais solitário. Porque não há ninguém que seja outro, além de você. Há somente você, expandido em todas as direções, em todas possíveis manifestações. É você florescendo na árvore. É você movendo em uma nuvem branca. É você no oceano, no rio. É você nos animais, nas pessoas.
      E isto não é algo que você tenha que projetar ou pensar.
      Isto é o que as falsas religiões tem estado fazendo. Elas dizem para você: "Pense que você é um com o todo: Concentre, discipline sua mente a acreditar que você é um com o todo."
      Sim, se você tentar duramente você pode começar a acreditar nisto: que você é um como o todo, mas isto será simplesmente uma crença. (...)
      Ou seja, eu não falo para você começar a pensar em termos de que tudo é divino, e que tudo é Deus: isto é lixo. Nunca comece por algo que é basicamente uma crença.
      Basta aproveitar o salto para dentro de si mesmo, e não me pergunte o que você vai encontrar aí. Porque se eu disser a você o que você vai encontrar, imediatamente você começará a se hipnotizar para isto. Então você encontrará isto, mas não será uma coisa verdadeira. Será só uma alucinação.
      Basta aproveitar o salto para dentro de si e você chegará a saber, você chegará a sentir, você chegará a experienciar. 
      Religião é experienciar a Verdade. O homem precisa da Religião, ela é o luxo conclusivo, o luxo irrevogável; abaixo está o amor.
      E eu tenho ensinado amor o suficiente para que você possa chegar ao momento crucial onde você sinta que o outro é Inferno: por ser este o ponto do voltar-se para si.
      Sartre precisava de alguém para lhe dizer, que: "O outro é Inferno. E você?”
      Você tem tentado, tão inflexível, se tornar um com o outro, porque não tentar um pouco ser um com você mesmo?
      Porque isto não vai ser difícil. Você já é um com você mesmo:você só precisa olhar para dentro. Um pequeno voltar-se para dentro e tudo acontece.
      Mas, aí, você não é cristão, nem hindu, nem muçulmano, nem judeu: você é simplesmente religioso. 

Osho

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Livre-se da cultura do medo! *Doenças e curas* Busca pela verdade* Religião e medo.





Até que ponto o medo está presente em nossas escolhas? Será que você consegue perceber como a cultura do medo está presente em nossas mentes? Como livrar-se disso? 











quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Compreendendo a Paciência

"Pergunta – Amado Osho, qual é a essência da paciência?

A paciência tem sido explorada pelas pessoas. Há séculos temos a pobreza, e os povos foram aconselhados a apenas serem pacientes – “É um teste de sua confiança em Deus”. 
A eles foi apenas dito que fossem pacientes, que “é apenas uma questão de alguns anos e então vocês adentrarão o paraíso”.

A paciência tem sido usada como parte da exploração de povos em todas as áreas, mas ela é uma linda qualidade. 

Ser paciente, para mim, significa confiança – confiança na natureza, na existência, em você mesmo. 
As coisas estão melhores a cada dia; o que quer que aconteça, a sua paciência encontra algo melhor para você. É uma alquimia muito grandiosa; transforma sofrimento em bênção. 

É um grande instrumento em suas mãos; você apenas precisa entender que o instrumento deve ser usado por você, e não pelos outros sobre você.
Há mudanças constantes na vida – a vida é um fluxo. 

Heráclito diz: “você não pode pisar duas vezes no mesmo rio”. Eu digo a você: “você não pode pisar nem mesmo uma vez no mesmo rio”. O rio está continuamente se movendo. Há altos, há baixos, há dias e há noites. 

A paciência consiste em ver as coisas de forma que tudo se torne uma alegria para você.
Por exemplo, você pode pensar que todos os dias foram encapsulados entre duas noites escuras. Isto lhe trará miséria e tristeza: “oh, que vida, apenas um pequeno dia, e duas grandes noites escuras”. Um homem de entendimento verá cada noite como tão pequena entre dois lindos dias ensolarados.

A vida é a mesma – é a sua perspectiva que muda.
Há pessoas que não olharão para as rosas, e sim para os espinhos. Elas sentirão profundo desespero pelo fato de a existência não produzir rosas sem espinhos, mas estarão prestando mais atenção aos espinhos do que às rosas. Um homem de entendimento amará a rosa, e enxergará o espinho como a proteção da flor. 
A mesma roseira está fornecendo seiva a ambos – à rosa e ao espinho. O espinho deve ter alguma função natural. Sua função é proteger a rosa – é um soldado, um guardião.

Uma vez que você veja a vida de um ângulo diferente, seu coração começa a pulsar de um jeito diferente. 

Tudo pode ser visto com olhos negativos, e há pessoas que pensarão em tudo desta forma. Elas se tornarão bons críticos, mas serão grandes fiascos na vida. Mas há uma maneira de se ver a vida com olhos positivos.

Eu estava visitando um palácio em Jaipur, na Índia. Jaipur é uma das cidades mais lindas do mundo; o homem que a estava criando, Maharaja Jai Singh, queria superar a beleza de Paris, mas morreu antes de completar o projeto. Então, Jaipur se tornou uma cidade incompleta, mas possuidora de tremenda beleza. 

Nenhuma outra cidade indiana possui esta sua qualidade.
No palácio, o neto de Maharaja, que agora tomou o lugar do avô, disse-me: “por favor, não repare se você vir alguma coisa incompleta no palácio”.
Eu disse: “qual o problema”?
Ele disse: “Meu avô tinha uma certa visão de que nada deveria ser feito completo, porque se fosse, teria um certo ar de morte. As coisas deveriam permanecer incompletas, pois assim têm a possibilidade de crescimento. E por coincidência, ele não pôde completar Jaipur; ele morreu. 

Esta foi a filosofia de toda a sua vida: ele nunca fez nada completo. Alguma coisa sempre estará faltando, e as pessoas que enxergam com olhos negativos imediatamente notam a coisa que está faltando. O palácio como um todo é tão lindo, mas toda a preocupação destas pessoas se concentra na pequena pedra que está faltando, e elas ficam frustradas.”

Talvez Maharaja Jai Singh tinha algum entendimento da vida.

Na vida nada é perfeito, tudo tem alguma imperfeição. Imperfeição significa que a vida ainda está se desenvolvendo, que a evolução ainda está acontecendo. 
O dia em que tudo estiver completo será o pior dia da existência, pois neste dia tudo se tornará morto. Não haverá crescimento, não haverá necessidade de evolução; tudo estará confinado. Não olhe para as imperfeições; olhe para a tremenda beleza que circunda as pequenas imperfeições.

É uma mudança de perspectiva que traz paciência a você. Então você entende que tudo é bom, e que tudo será ainda melhor, pois há séculos vem se tornado melhor e melhor. 

Não há necessidade de se preocupar com o amanhã; amanhã será melhor. A existência toda está engajada em melhorar a si mesma. Você apenas tem de ser um pouco paciente; você não deve ter pressa. 

Você não deve pedir que tudo lhe seja dado agora.
Tudo vem no tempo certo.
Tudo vem quando você está maduro.
Tudo vem quando você merece. Esta é a minha experiência.
Nos últimos trinta anos eu não senti, nem mesmo por um único momento, nenhuma impaciência, e testemunhei que tudo segue se tornando melhor e melhor. 

A própria existência está envolvida neste processo; somos parte dela, não há motivos para se preocupar. Mesmo algo que parece escuro hoje pode se revelar apenas o começo de uma nova aurora. 
A noite é mais escura logo antes do amanhecer.
Apenas observe a vida. Tente entender a vida, e a paciência virá até você por conta própria."

Osho 


quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Eu Superior - Comunicação com o Eu Superior para Respostas

Alguma vez você já teve um encontro com o seu Eu Superior ?


Seu eu superior é o verdadeiro você, a consciência da alma que é assim, muito mais do que a forma física que você conhece tão bem. Seu eu superior é o que é ilimitado e eterno. É a parte de você que te excita com inspiração, o guia com intuição e ensina através de uma visão ... hora de fazer uma data, certo?

Suas intenções, desejos e seus segredos são bem conhecidos por seu eu superior. Você sabe tudo sobre você. As possibilidades são, provavelmente você já teve uma conversa muito limitado com o seu eu superior. Esses flashes incrivelmente úteis de intuição e inspiração pode se tornar uma parte muito maior da sua vida, se você permitir que essa comunicação  florescer.

Conectando-se com o seu Eu Superior é uma espécie de paradoxo - Você está conectado, sempre. Na verdade, é mais do que uma ligação, é uma unidade. O físico que não pode ser separada da consciência energético. Mas estamos aqui neste estado físico, e parte do que é um sentimento de separação de tudo o resto. Na realidade não há separação.

Onde é que a sua energia começa e termina? 

Se você pode aceitar que você é muito mais do que esse ser físico, você pode entender que você é o seu Eu Superior, tendo uma experiência física.

Por que é importante ouvir o seu Eu Superior?

Seu superior é o seu melhor guia para uma experiência incrível e significativo aqui no plano físico. Toda vez que você começar uma sensação inexplicável ou premonição, o seu Eu Superior está tentando se comunicar com você e orientá-lo sobre o curso certo de ação.


Como funciona o Eu Superior Comunique-se?


Informações do eu superior pode vir de fora os sentidos. Se você estiver descartando os palpites e intuições, você pode querer perguntar-se porquê. A informação que vem do eu superior não é necessariamente nos  sentidos físicos, mas não é menos válido! Afinal, você não pode perceber fisicamente gravidade, mas obviamente há algo impedindo você de flutuar como um balão de aniversário. Muitos de nos  estamos tão acostumados a acreditar que só o que percebemos com nossos sentidos físicos é real e nós tendemos a ignorar este aspecto muito importante de nós mesmos - o energético.

Outro problema potencial que você pode ter com as mensagens que você está recebendo a partir do seu eu superior é que eles são muitas vezes truncado, enigmática e totalmente desconcertante, especialmente se eles vêm para você em sonhos. Isso realmente ajuda , essas mensagens estranhas, porque às vezes as respostas tornam-se claras quando você escreve sobre eles.

Às vezes você pode ouvir vozes, outras vezes, você vai receber imagens ou fortes impulsos para fazer - ou não - alguma coisa. Uma habilidade que você vai desenvolver, como você se acostuma a ouvir o seu eu superior é a capacidade de discernir entre a voz baseada no medo do ego e o infinito voz / eterno de seu eu superior. Você pode desenvolver uma consciência aguda do seu corpo como um grande "tradutor" de mensagens de seu maior do self.

Um encontro com seu Eu Superior

Marque um encontro com o seu eu superior! Então, de volta para a data. Eu recomendo fazer um encontro com o seu eu superior: imagine, num ambiente tranquilo tranquilo, um lugar que você gosta de estar dentro não "fazer" dentro "seja" dentro. Se você quiser, você pode imaginar o seu eu superior, como uma presença física, como o seu melhor amigo sentado ao seu lado. Ou você pode imaginar-se cercado por uma energia calorosa e amorosa. Veja como que as imagens estejam  certo para você! Uma vez que você sentir a presença de seu superior, você pode fazer perguntas sobre qualquer coisa. O eu superior não julga ou critica. Registe e descarregue a energia Kit Breakthrough livre para aprender mais sobre a comunicação com o seu Eu Superior

Esteja aberto a respostas! Não se esqueça que pode vir em uma variedade de métodos de entrega: as palavras, os sentimentos, as imagens, as coisas de repente entram em sua linha de visão ou qualquer coisa que de repente entra em sua consciência ...

Como você sabe a diferença entre uma resposta baseada no medo que o seu ego e lhe dá a voz do eu superior? Como você sabe que as respostas não são apenas imaginação, ou algo que sua mente feito para apaziguar você? Veja como:

Se você sentir sensações físicas de ansiedade, tensão, medo, raiva, etc, você está falando com o ego. O ego cria a sua identidade em torno da dor. Isso é o que ele sabe. Isso é o que é confortável e que é a linguagem que ele entende. Ele quer manter a identificação com essa negatividade, porque então ele tem uma identidade.

Se você sentir sensações físicas de leveza, amor, energia, felicidade, etc, você está falando com o eu superior. Não há identidade no superior. É apenas energia, sem começo e sem fim. O estado natural do eu superior é livre, amorosa e alegre.


Um método consiste em pedir perguntas sim / não e, em seguida, ouvir a resposta imediata - às vezes até mesmo antes de terminar a pergunta. Esta resposta  imediata é, provavelmente, o seu eu superior, ignorando a programação da mente . Se você fosse dar-se tempo para analisar sua pergunta, acredite em mim, o ego iria começar carrilhão com sua vibração negativa usual!

Diário ajuda a dar sentido de mensagens maior do self. Outro método é a revista. Você pode fazer perguntas e escrever ou digitar suas primeiras, imediatas respostas e reação . Em seguida, voltar e re-lê-los com a consciência de sua resposta física e emocional, você vai ver imediatamente se a sua resposta veio do ego ou do eu superior. Escrever também ajuda a dar sentido a mensagens que não "entende" imediatamente.

Se as respostas parecem mais sábias do que o normal, é o seu eu superior. Se as respostas parecem forçadas ou se soar como se você falasse  as outras pessoas o que elas querem ouvir, isso e o  ego. Se as respostas parece que  estão vindo de uma inteligência superior, este e seu eu superior.

Você -  Seu professor final. Então, faça um encontro com o seu eu superior, e descobra o que está acontecendo em sua vida. Fazer as perguntas para seu eu,  sua vida tomará um novo significado - e, possivelmente, uma nova direção que os seus pontos mais elevados  para o que é certo para você.

Fonte : Love or Above



Você atrai o que você é!

Quem nós pensamos que somos está intimamente ligado a como nos consideramos tratados pelos outros. Muitas pessoas se queixam de que n...

Veja mais

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...