segunda-feira, 12 de setembro de 2016

O mistério da Cura

Por : Jeff Foster

"Abraçar e nos abrirmos à nossa dor - à tristeza, ao medo, ao pesar, às dúvidas - não necessariamente faz com que a dor seja menos intensa, ou que seja mais fácil de suportar no momento.

E não existem promessas aqui, no campo da Verdade, se desenrola momento a momento. 

Cada momento pode se tornar mais e mais intenso até que se dissipe. Poderia nunca ir-se também. Mas este não é o ponto.

Nós abraçamos nossa dor com o fim de fazê-la 'desaparecer'. Isso é resistência e não aceitação. 

Sem dúvida, não somos mártires, e não somos masoquistas, e não somos narcisistas, nem tampouco estamos obcecados com nosso sofrimento, nem tampouco, estamos morrendo de amores por ele. Só estamos interessados na Verdade deste momento.

Estamos enamorados da vida mesma. E sabemos que cada sensação, cada onda de medo, cada formigamento, cada palpitação, cada vibrante parte do corpo, não é outra coisa que a vida mesma, uma expressão plena de consciência, que está aqui para ser incluída; sabemos que não se trata de nenhum inimigo, ou ameaça à totalidade, somente uma expressão DA totalidade. E sabemos que fugir da nossa dor, reprimi-la, ignorá-la, negá-la, tratar de anestesiá-la, ou fazer com que 'desapareça' só nos converte em escravos dela, vivendo atemorizados e que em última instância, seria como se estivéssemos fugindo de nossos próprios filhos.

Compreendemos que o caminho para abrirmos é o caminho sem caminho, é o caminho da inclusão radical, de dizer SIM a qualquer coisa que surge em nós, SIM tanto ao tédio, quanto à felicidade, SIM tanto a alegria como a tristeza. E sabemos que este é o caminho menos percorrido: o caminho da coragem, o de submergirmos nús no desconhecido dia após dia. Sabemos que este é o único caminho para nós- isso, depois que tivermos tentado todos os outros caminhos!

Cura não significa eliminar imediatamente a dor. Significa abrirmos à dor e em sua imediates, e abrirmos à alegria, e abrirmos ao pesar, ao êxtase, e à nossa incapacidade de nos abrirmos e de conhecermos nós mesmos como esta abertura, essa imensidão onde tudo é incluído, e onde tudo é permitido, e onde tudo é bem-vindo, onde tudo está vivo."




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...