domingo, 19 de janeiro de 2014

Deixe a Luz entrar.


Se eu tocar no que para mim é sujo, me sujarei.

Se entrar onde me assombro, de um jeito ou outro verei fantasmas.

O que te parece intolerável pode ser aceitável para mim, de modo que se não andarmos conforme nossa consciência, seremos guiados por ventos e assombrações.

Aqueles que precisam de leis se agarrarão a elas sem saber que a lei existe como condutor- moldado ao tempo em que vivo- em direção a consciência.

É só isso.

Se eu construir meu caminho sob a ameaça dos fantasmas do meu inconsciente, acreditando que o objeto, o lugar ou ambiente tem poderes inerentes para o bem ou para o mal, serei escravo de ritos e fórmulas que prometem me impermeabilizar contra minhas próprias assombrações.

Da simples proteção contra o "mal olhado" às complexas mudanças essenciais em busca de poder, seguimos em rota de fuga daquilo que teoricamente nos assombra. Não é por consciência, mas por medo.

Se o "objeto maldito" for só um objeto para você, não tenha medo de tocar, porque ele só será um objeto. Se você se impressiona com lugares sagrados, templos, espaços ou seja o que for e recorre a eles em busca de iluminação, saiba que a luz vive em você. Lugares são apenas lugares.

Para o bem ou para o mal, o que nos atormenta ou refrigera vive em nós.

Aquele que anda em consciência sabe que, não das montanhas, do céu ou do inferno, mas é dentro de nós que está a janela que, aberta, deixa a luz entrar. Se fechada tudo será escuridão.

Não é fora, mas dentro que convive ao mesmo tempo sua algema e sua redenção.

Talvez seja hora de olhar para dentro , encarar seus monstros e finalmente libertar-se.

Flavio Siqueira 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...