terça-feira, 25 de março de 2014

Consciência Humana e os Anunnaki


A ideia de que estamos sozinhos no universo é totalmente absurdo quando consideramos que há agora 176 bilhões de galáxias observáveis. Existem trilhões de estrelas, cada uma das quais com toda a probabilidade que pode ter em locação um planeta aguardando formas de vida habitáveis. Não há razão para supor que as inúmeras raças extraterrestres não têm parte na semeadura e colonização de planetas. Na verdade, a ideia de que a Terra foi semeada por vários seres de fora do planeta não está em conflito com as tradições metafísicas de consciência e iluminação encontrados nos textos em sânscrito. Certamente é simplesmente lógico que todas as galáxias as raças mais altamente avançadas, seja em tecnologia ou sabedoria metafísica, fazer semente e colonizar os planetas que têm potencial de vida.

Consciência é a chave para nossa libertação

Todos os seres neste universo manifesto tem tempo como a nossa construção, a urdidura e trama de tempo e espaço. Estamos limitados pelo tempo, apesar de nossas vidas atribuídas só podem variar em termos de anos, eventualmente, até mesmo os bispos mais avançados que colonizam as galáxias irão morrer. O segredo no antigo texto em sânscrito o Rig Veda foi mal interpretado, mal concebido, e se transformou em rituais elaborados, que prometeu dar mortais o mesmo número de anos de vida como os seus "deuses" - as famílias colonizadoras. O segredo real, o amrita, o néctar da imortalidade era na consciência, Tornando-se o que nunca nasce e nunca morre, Aquele imperecível imutável eterno, o resplendor que permeia e suporta todos. Esta compreensão da imortalidade se encontra no Chandogya Upanishad, Capítulo III, quando o verdadeiro significado de amrita, o néctar da imortalidade mel é revelado:

O ali Sun [dentro] em verdade é que os deuses [o aparelho sentido] mel. É isso, o céu é o feixe de cruz, o mundo meio do favo de mel, e os raios dos ovos.

Desse Sol, os raios orientais são suas células mel orientais, os versos Rik são as abelhas, e o Rig Veda as flores. A aguada [apas] mel [madhu] neles é o imortal [amrita] ambrosia.

Sabedoria nos liberta do nosso estado percebido de mortalidade . Pode-se considerar a nossa história humana tem uma busca sem fim louco para a imortalidade através da ciência, a riqueza e o poder nas aparências externas de temporais tempo solidez / espaço como levemente divertido. Tudo e todos neste mundo é temporal, sujeito à morte e nascimento, o oceano de Samsara. No entanto, o segredo foi sempre à espera dentro de cada um de nós, no coração - e não o coração físico, mas o coração metafísico.

"Se um homem adora o outro, ele não sabe ..."

Em 2013, Gerald Clark publicou sua pesquisa em Os Anunnaki de Nibiru e por acaso, recentemente deparei com o livro na amazon.com. Eu não sei se Clark ler meu livro. Ele não me cita, nem me importa. Na verdade, eu estou esperando que ele chegue a suas idéias sobre a importância da consciência na história Anunnaki tudo por conta própria.

Enquanto eu não posso confirmar as conclusões de Clark sobre detalhes históricos, conexões com outros mitos do mundo e religiões, ou suas várias suposições pessoais - o que me interessa e me impressiona era o seu entendimento sobre a supressão da consciência humana. Minha pesquisa se concentrou em metafísica antigos tradicionais e as vastas implicações da perda desta Sabedoria-Conhecimento. Verdadeiramente a nossa escravidão, servidão ou como é comumente denominado nos textos em sânscrito, é o resultado de nossa ignorância da metafísica primordiais, Sabedoria-Conhecimento, Jñana Yoga.

Aqueles que alcançaram Deus-Consciência, ou seja, seu próprio Iluminismo, entender e experimentalmente Saibam que a Unidade, ao mesmo tempo nossa origem e que somos, penetra e permeia todos. Deus é tudo e de todos, cada um de nós. Portanto, ninguém deve ou curvar-se e adorar a outro. Isto é claramente indicado no Brihadaranyaka Upanishad , I.iv.10:

E até hoje, [aqueles] que ... sabe o Eu como Eu sou Brahman [Aquele], tornar-se todo este universo. 
Mesmo os deuses [quaisquer outros seres dimensionais] não pode impedir o seu tornar-se isso, pois ele tornou-se o seu auto. ... Se um homem adora outro pensamento divindade: Ele é um e eu sou outro, ele não sabe. 
Ele [que não sabe] é como um animal sacrificado aos deuses. Como muitos animais servem a um homem, de modo que cada homem servir aos deuses. Mesmo que um animal é retirado, causa angústia ao proprietário;! Quanto mais quando muitos são levados 
Portanto, não é agradável aos deuses que os homens devem saber isso [que eles são o Uno].

Gerald Clark entendeu as implicações profundas da consciência em conexão com nossos colonizadores, os Anunnaki, quando ele diz: "Lembre-se de que a consciência teve o efeito colateral de ardor de capacitar os escravizados [o Igigi] a levantar-se abandonando seus opressores ..." Clark elabora sobre os sete chakras e sugere que a supressão intencional da consciência humana na raça criada pelos Anunnaki era parte do conflito fraternal entre Enki e seu irmão Enlil. Presumo que o leitor tenha algum conhecimento de história Anunnaki .

Enki foi, naturalmente, o geneticista mestre que com sua meia-irmã Ninhursag criou-nos. As tabuletas cuneiformes dizer que Enlil encontrado o aumento dos seres humanos 'barulhento' e procurou reduzir periodicamente a população. Enki naturalmente sentia mais simpático para nós como suas criações e interveio em nosso nome em mais de uma ocasião, incluindo um dos eventos catastróficos grande dilúvio. Enlil não viu nenhuma razão para ativar a consciência eo sistema de chakra de seres necessários como escravos obedientes.

Visões da colonização do planeta Terra

Por muitos anos, tenho procurado conciliar minhas visões da colonização do planeta Terra pelos Anunnaki e meu aprofundamento da compreensão da eterna sabedoria metafísica-Conhecimento nos textos sânscritos.

Em 1995, eu escrevi 'Inanna Returns' baseado em seis meses de visões que foram desencadeadas pela leitura Zecharia Sitchin. Em 1989, eu li os livros Sitchin. Muitos dos meus amigos também estavam lendo Sitchin e mais estavam reclamando, lutando com os nomes, e estilo de Sitchin de colocar para fora inúmeras vezes fatos aparentemente não relacionados. Mas, para mim, era como se eu estava lendo a história da minha própria família. Eu senti como se eu conhecia pessoalmente a família de Anu - Ninhursag, Enki, Enlil, e os outros. Comecei a explicar suas relações familiares para os meus amigos, que eram um pouco perplexo com a minha Grok profundo. Eu não sou um estudioso.

Em seguida, as visões começaram. Como eu continuei a ler Sitchin, eu me senti como se eu estivesse no corpo de Inana assistindo a colonização, a hibridação, as guerras de radiação inteiras, etc processo. As visões eram bastante intenso, incrivelmente surpreendente, mas eu estava completamente confortável com a experiência e nunca me senti desequilibrada ou assustada. No entanto ao longo do tempo, fechei as visões para baixo, o que não era tão difícil e fui com a minha vida menor.

Tudo isso resultou na minha escrita "Inanna Returns ', em 1995. Eu auto-publicado, foi no circuito de palestras, e quando os livros parou de vender, eventualmente, fechou a loja. Eu entendi que os seres colonizadores eram muito mais avançado e poderoso do que nós, seres humanos. Portanto, a melhor, e de fato o recurso mais prático para mim foi buscar o meu Iluminismo, em outras palavras, alterar a minha própria consciência humana limitada . Ao longo dos anos, eu parei de ler as muitas Sitchin spin-offs como eu os encontrei muito confuso e confuso. Em vez disso, optou por concentrar-se em metafísica e do sânscrito por causa do que Inana me revelara sobre a civilização do Vale do Indo. Fiquei especialmente desenhado para o Mahabharata e, naturalmente, o Bhagavad Gita contido.

Em meu livro Inanna Returns ela conta sua história. Inana foi dada a província já existente do Vale do Indo, como forma de apaziguar ela. Ela queria que o Egito, mas foi dado Vale do Indo como compensação - com o valor acrescentado de tirá-la de longe e da Mesopotâmia. Exilado ao interior, Inana elaborou um plano de sua própria, como de costume, para nivelar as coisas. No Capítulo VIII ...

'Inanna Returns' Capítulo VIII, The Temples of Love:

Assistindo a vida solitária de Ninhursag, juntamente com minhas próprias experiências, estava começando a me dar uma sensação para as mulheres. Como o tempo passou na Terra, os homens da minha família foram se tornando cada vez mais dominante. Era como se a própria atmosfera deste planeta remoto foi de alguma forma todos nós mudando.

Nos Plêiades, as mulheres são reverenciados como símbolos da Grande Deusa e tratados com respeito. É fortemente proibido por lei Pleiadian de greve e estuprar uma mulher. Frequências de fronteira da Terra parecia trazer uma mudança nessa tradição. Nossos homens estavam desenvolvendo uma nova atitude para a metade feminina da espécie. Os filhos de Enki, liderada por Marduk, criou leis que proíbem as mulheres certas liberdades em seus territórios. Fiquei naturalmente irritado e chateado por essas leis ridículas, assim, em minhas terras, enfatizei a capacitação e valorização de energia feminina, e eu decidi ensinar a Lulus alguns dos Mistérios pleiadianos.

Quando Ninhursag e Enki criou o Lulus, deixaram alguns componentes chaves inativadas. Embora o Lulus e todos os seres humanos nascidos deles, incluindo os habitantes atuais da Terra, possuem nossos genes, alguns desses genes não funcionam porque alguns tinham sido propositalmente desconectado. O Lulus foram ensinados a chamar a minha família "divino", mas estávamos quase isso. Os filhos de Anu são os adolescentes eternos, e palavras como ambiciosos e gananciosos poderia nos descrever com mais precisão.

Tínhamos deixado intencionalmente os códigos genéticos de nossa raça trabalhador apenas parcialmente funcional de modo que seria mais fácil de gerir. Eu sabia que não poderia interferir com o funcionamento do DNA do Lulus ', mas ninguém poderia me impedir de ensinar-lhes certos segredos. E uma vez que o pensamento cria a realidade, eu esperava algumas das minhas sacerdotisas ou sacerdotes poderiam fogo até o presente "genes divinos" em todo o Lulus e, assim, instigar sua evolução latente através da secreção hormonal.

No seu tempo presente, o Samkhya é tudo o que resta da sabedoria das Plêiades. Samkhya é uma palavra sânscrita que significa "para enumerar." O conceito de Samkhya sugere que a matéria é organizada a partir de dois componentes primários, consciência e energia, que interagem para criar o universo.

É pensamento focalizado consciente que move as frequências de energia para constituir-se em uma miríade, infinito jogo de todos os mundos! Os físicos em seu tempo presente estão se aproximando esse entendimento, mas eles estão faltando um componente, e que é o Amor. Não é o tipo de amor que você já experimentou, como seres humanos, algo limitado e imprevisível, mas o amor como uma força primária. Jamais ocorreria a um cientista moderno para quantificar um estado de consciência, como o amor, mas esse é o segredo. O amor é a peça que faltava em todas as teorias do campo unificado.

É o amor do Criador Primordial que é a primeira causa deste Universo e todas as outras realidades dimensionais na existência. Não os seus grandes usam de dizer que amor é a maior de todas as qualidades? No entanto, é muito simples, muito óbvio para a maioria.

Então, eu ensinei este Samkhya em minhas têmporas. Eu ensinei as minhas filhas e alguns dos homens que queriam aprender a usar seus belos corpos e mentes para trazer esta força, a força do Amor divino, em Terra, em nossas cidades, nossos campos e nossas crianças.

Foi um tempo maravilhoso para todos nós. Negócio prosperou, e as mulheres foram autorizados a possuir a propriedade e manter sua riqueza em separado, se assim o escolheu. Assim, há uma propriedade elas. Ambos os sexos eram soberanos para si mesmos, e os homens eram igualmente feliz. Houve um florescimento da civilização e as artes. Nossos campos eram abundantes, o comércio com a Suméria eo Egito foi crescendo, e as artes da dança, música, pintura, escultura e disparou para novas alturas. Relatos de realizações arquitetônicas de Maya se espalhou pelo mundo.



A supressão intencional da consciência humana ...

O conhecimento de que a guerra entre aqueles que tomaram parte na semeadura e colonizar o planeta, Enki e Enlil, foi sobre a ativação da consciência humana revela-nos o caminho para a liberdade. O mistério de milhares de anos de repressão das religiões tirânicas exigindo que nós, humanos, curvar-se e adorar deuses, ou mesmo aquele que é vingativo sedento de sangue-amante da guerra, está resolvido. As guerras religiosas que destruíram várias vezes grandes civilizações, e a liberdade de investigação, que muitas vezes chegou perto de Verdade, deve chegar a um fim.

Nós libertar nossa consciência da escravidão e da ilusão, quando buscamos o Uno onipresente que permeia tudo e habita dentro do coração de cada homem, mulher e criança. O Eterno espera pacientemente por cada um de nós para ligar novamente para dentro e recuperar a nossa própria divindade e Fonte. Quem, então, pode nos forçar a adorar qualquer coisa fora de nós? Aquele permeia e impregna tudo. Manifesta-se neste universo tecido com Amor, criado pelo resplendor da do próprio É Delight! Estamos That. TAT TVAM ASI. Talvez esse tempo chegou, o tempo de voltar para casa - mas o resultado permanece em nossas mãos, ou devo dizer em nossos corações.

Assim, podemos começar a entender que todo esse negócio Anunnaki, a verdade de nossas origens antigas, os profetas e os lucros da desgraça, a matriz de ameaça de medo Incorporated, tudo derreter a consciência, a nossa consciência humana.

"A consciência brilha em várias formas externas e internas. 
Não há existência de objetos além da consciência. 
Portanto, o mundo é simplesmente uma forma de consciência. "
- Kalikakrama , como citado em Shiva Sutras traduzidos por Jaideva Singh

O futuro permanece até nós, cada indivíduo escolher Libertação ou arco-down & adoração tirania. Ninguém pode fazer isso por você. Eu não estou dizendo a verdade é fácil, embora para alguns pode ser. Fazemos andar a proverbial fio da navalha, o abismo de todos os lados. But Home é a Unicidade todos nós emergir, o eterno, imutável unmanifest imperecível - e, inevitavelmente, todos nós vamos voltar a dissolver e volta para isso. Há apenas uma alma para sempre dançando louco amor, sua alegria feliz louca por milhares de universos.

Recursos:

Os Anunnaki de Nibiru , por Gerald Clark, MSEE PSI; 2013.

Chandogya Upanishad, tradução e comentário , por Swami Muni Narayana Prasad; DK Printworld, New Delhi, 2006.

Os Upanishads, uma nova tradução , por Swami Nikhilananda, Volume Três, A Brihadaraynaka; Ramakrishna-Vivekananda Centre, New York, 1956, 1990.

SIVA, The Yoga Sutras de Identidade Suprema , traduzido por Jaideva Singh; Motilal Banarsidass Publishers, Delhi, 1971, 1991.

Swami Lakshmanjoo: Shiva Sutras, The Awakening Supremo , com o comentário de Kshemarâja, revelado por Swami Lakshmanjoo, e editado por John Hughes, Universal Shaiva Fellowship, 2002.

Reflexões sobre 'Inanna Returns' e Zecharia Sitchin

http://www.metaphysicalmusing.com/articles/2012/irandzch.htm

Sobre o autor

V. Susan Ferguson é o autor de  Inanna Returns ,  Inanna Hyper-Luminal ; seu próprio comentário sobre o Bhagavad Gita e os Sutras Shiva, e Colônia Terra & o Rig Veda. Seu site é  metafísico Musing .


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Feliz Natal e um maravilhoso Ano Novo

Há mais, muito mais, para o Natal do que luz de vela e alegria; É o espírito de doce amizade que brilha todo o ano. É consideração e bond...

Veja mais

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...